Sociedade

INTERNET

Após tentar proibir memes contra Temer, governo pode limitar mais a internet

O governo golpista de Temer já tentou proibir, de forma fracassada, a produção de memes contra o presidente. Na última terça (08) um decreto publicado prevê mudança na composição do Comitê Gestor na Internet no Brasil, o que pode significar ainda menos liberdade de expressão nas redes.

quarta-feira 9 de agosto| Edição do dia

Um decreto publicado no Diário Oficial da União prevê mudanças na composição, eleição de representantes e atribuições do Conselho Gestor da Internet no Brasil. Atualmente o conselho é formado por representantes do governo, dos empresários, da sociedade civil e de técnicos e acadêmicos especialistas no tema.

Apesar de todas as contradições do conselho, que tem muito peso de empresários das telecomunicações e do governo golpista, a composição dele ainda é considerada, internacionalmente, bastante democrática. O CGI é também parte da garantia do funcionamento da internet tal qual a conhecemos que, embora seja limitado e se depare com casos de censura, permite, por exemplo, críticas aos governantes, sem acarretar, necessariamente, em penalidades.

Considerando ainda a falta de democracia no acesso à internet no Brasil, que é um dos mais caros do mundo e não cobre toda a sociedade, sobretudo os setores mais precarizados, as alterações pretendidas pelo governo golpista podem piorar ainda mais esse cenário. Isso porque as mudanças tendem a ser um trampolim para que Temer consiga impor mais repressão nas redes e limitar ainda mais a liberdade de expressão e também a utilização da internet, tornando-a mais cara e controlada.

A mudança na composição do órgão decretada prevê consulta pública mas não detalha como isso ocorrerá. De acordo com a Coalizão de Direitos na Rede, a decisão foi tomada sem diálogo com os setores atualmente envolvidos, e ocorre no marco de que o atual representante do governo na CGI é Maximiliano Martinhão. Recentemente ele defendeu, por exemplo, a captura dos dados pessoais dos internautas sem seu conhecimento.

É sabido que governos e outros órgãos de inteligência já têm seus meios de coletar dados pessoais de usuários da internet, quando lhes é conveniente. Ocorre que a oficialização deste tipo tipo de prática aponta para um cenário de ainda mais repressão online.

Cabe ressaltar também que multinacionais que controlam a internet e as redes sociais internacionalmente, como Google e Facebook já têm acesso a todos estes dados, ainda que sigam as práticas das democracias capitalistas de cada país onde atuam, e não sem contradições. São recorrentes as denúncias, por exemplo, de que o Facebook considera "ofensivos" alguns conteúdos enquanto outros, apesar de conterem discurso de ódio, apologia à diferentes tipos de violência machista, ou mesmo racismo, LGBTfobia e xenofobia, continuam no ar.

Todas elas são empresas capitalistas que atuam de acordo com seus interesses e, portanto, contra os interesses dos explorados e oprimidos do mundo, maioria entre seus usuários. Mas o governo querer mudar a "gestão" da internet no Brasil não deixa de ser uma ação bastante simbólica. Sobretudo quando se trata de um governo cuja popularidade ruma a zero, que entrou no poder por meio de um golpe institucional e que tem como grandes objetivos destruir direitos historicamente conquistados, para que a classe trabalhadora e o povo pobre paguem pela crise. Neste contexto de retirada de direitos, ainda mais vindo de Temer e do governo golpista, não se pode esperar qualquer tipo de mudança neste aspecto que não seja no sentido de limitar as liberdades democráticas que ainda restam nas redes.




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Michel Temer   /    Sociedade

Comentários

Comentar