Política

CRISE NO RIO

Após reunião na Alerj, situação do Bilhete Único Intermunicipal permanece sem solução

Ontem, mesmo com a liminar da justiça que determinava que o Bilhete Único fosse aceito pelas empresas, muitos veículos descumpriram a determinação, recusando a integração dos passageiros. O governo diz que os subsídios não serão repassados antes do dia 15, e a situação permanece num impasse.

Fernando Pardal

@fepardal

terça-feira 6 de dezembro de 2016| Edição do dia

Foto: Alessandro Ferreira/G1

Luiz Claudio Gomes, Subsecretário da Fazenda do estado, que esteve na reunião de aproximadamente três horas na Alerj, afirmou que desde o dia 17 de novembro o governo de Pezão não tem acesso ao seus recursos devido a decisões judiciais de arrestos e bloqueios para o pagamento de salários atrasados. Assim, disse que antes do dia 15 de dezembro não há nenhuma previsão de regularização do pagamento dos subsídios do Bilhete Único.

Nessa segunda-feira, 5, milhares de passageiros da região metropolitana da capital fluminense tiveram que pagar suas passagens em valor integral, a despeito da liminar judicial em vigor desde o dia anterior para que as empresas mantivessem em funcionamento o Bilhete Único. Isso porque as empresas afirmaram na noite de domingo que só cumpririam a determinação após notificação oficial, e, ao serem notificadas na manhã de segunda, afirmaram que muitos veículos "já haviam deixado a garagem", e só seria possível cumprir a determinação judicial quando retornassem. Essa absurda manobra, um verdadeiro assalto aos usuários do transporte público, certamente ficará impune.

Esse modelo de transporte, que beneficia o lucro das empresas privadas, está hoje mostrando que não apenas fornece um transporte precário, lotado, insuficiente e caríssimo para garantir o lucro, mas que inclusive, quando se chega a uma situação limite, deixa a chantagem da máfia das empresas da Fetranspor se sobrepor a qualquer tipo de direito ao transporte público. Como afirmou a defensora pública Patricia Cardoso, presente na reunião:

"Temos hoje muitos trabalhadores informais que dormem sob marquises no Centro por falta de dinheiro para o transporte. Se o Bilhete Único acabar, vai faltar marquise para tanta gente, incluindo-se aí trabalhadores formais."

A chantagem patronal, por sua vez, não teve meias palavras, e seu representante jurídico que se encontrava na reunião, Rodrigo Tavares Maciel, a expressou assim: "A falta de repasses compromete a operação das empresas. Qual é o risco maior? Paralisar o transporte coletivo? Porque algumas empresas não vão aguentar." A ameaça de um locaute patronal é clara, o que levaria a um estado de calamidade no transporte público do Rio.

Mas Patricia Cardoso lembrou as cifras de outros roubos por parte das empresas, como, por exemplo, os R$ 90 milhões de saldos expirados do Bilhete Único (crédito dos bilhetes com a validade de um ano e que depois era embolsado ilegalmente pelas empresas), e que hoje está bloqueado por ordem judicial e em disputa na justiça. A proposta de acordo feita por Patricia era que esse dinheiro fosse utilizado para quitar a dívida do governo com as empresas (cujo valor, de R$ 17 milhões no total, segundo o Secretario de Transportes, é muito inferior). Mesmo esse acordo, que levaria as empresas a se apropriar de uma fatia ainda maior do que os subsídios do governo, não foi aceito.

O Secretário de Transportes, Rodrigo Vieira, presente na reunião, afirmou que desde 2010 foram feitos 1.900 depósitos do governo nas contas da Fetranspor, totalizando R$ 3,2 bilhões de reais, e que o atraso atual é de R$ 21 mil. Graças a essa quantia a aceitação do bilhete foi suspensa.

Essa chantagem patronal feita pela Fetranspor é uma demonstração claríssima - como se ainda precisassem de mais - de que o modelo de concessão privada nos transportes só tem um beneficiado: os empresários. É necessário estatizar os transportes sob controle dos trabalhadores e usuários, para colocar esses bilhões repassados pelo governo a serviço de um transporte decente, planejado de acordo com as necessidades dos usuários, e sem as tarifas absurdas impostas por essa patronal chantagista em acordo com esse governo que, apesar de suas bravatas, defende os interesses desses parasitas em detrimento dos direitos da população.




Tópicos relacionados

Rio de Janeiro   /    Transporte   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar