Sociedade

Após reunião com Bolsonaro, patronal dos supermercados manda o povo parar de comer arroz

O presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) se reuniu com Bolsonaro essa quarta-feira e defendeu uma campanha para que o povo pare de comer arroz, um dos principais alimentos dos brasileiros, e mudem o consumo para outros alimentos, deixando claro que mexer nos lucros da patronal dos supermercados não é uma alternativa.

quarta-feira 9 de setembro| Edição do dia

Foto: Dida Sampaio/Estadão

O presidente da Abras, João Sanzovo Neto, disse nesta quarta-feira (9), em coletiva de imprensa depois de se reunir com Jair Bolsonaro (sem partido), que defende uma campanha para que o brasileiro pare de comer arroz e vá comer macarrão. Segundo ele, não há prazo para que o preço do produto seja reduzido para os consumidores, logo a postura do presidente da Associação deixa claro que para a patronal a população que deve mudar sua alimentação com o que der para comprar.

"Vamos estar promovendo o consumo de massa, macarrão, que é o substituto do arroz. E vamos orientar o consumidor que não tem estoque (arroz)" - disse Sanzovo. Para a população fica a falta de alimento, principalmente aqueles que mais ocupam a alimentação dos brasileiros. Para os ricos fica a oportunidade de lucrarem cada vez mais com a crise instalada.

O presidente da Associação ainda fez demagogia alegando que a patronal nem mesmo está lucrando com isso, como resposta quando Bolsonaro, que é submisso ao imperialismo e o capital internacional financeiro, pediu para que os donos de supermercados trabalhassem com o lucro "próximo de zero".

Segundo o IBGE, o preço dos alimentos teve uma alta de 0,24%, tendo o arroz uma valorização de 19,2% no ano e o óleo de soja, 18,6% de alta - alimentos que compõem a cesta básica brasileira.

Veja aqui: Mourão culpa auxílio emergencial pelo aumento de preços dos alimentos.




Tópicos relacionados

Fora Bolsonaro, Mourão e os militares   /    Governo Bolsonaro   /    Inflação   /    crise econômica   /    Sociedade

Comentários

Comentar