Internacional

ESTADO ASSASSINO

Após outra repressão brutal, uma nova morte no Chile. O Estado é responsável!

Os manifestantes relataram a morte de um jovem que tentava se proteger da repressão e caiu em uma cova com cabos de alta tensão molhados pela ação dos caminhões de água. Ao mesmo tempo, houve um incêndio causado por bombas de gás lacrimogêneo lançadas pela polícia, no Cinema Arte Alameda, um centro que protegia os manifestantes reprimidos e operava como sede das brigadas de primeiros socorros.

sábado 28 de dezembro de 2019| Edição do dia

Um grande número de policiais das Forças Especiais da Polícia chilena tentou impedir a manifestação nesta sexta-feira na Plaza Dignidad e reprimiu milhares de manifestantes que se concentraram para defender o direito às aposentadorias, repudiar a repressão e exigir a renúncia de Piñera. Nesse contexto, a polícia atacou o prédio Cine Arte Alameda - próximo à praça - causando um forte incêndio que deixou o prédio destruído.

Na Plaza Dignidad, que já é um símbolo da rebelião popular chilena, os jovens mais uma vez gritavam contra a repressão e exigiam a renúncia do prefeito Guevara, promotor da política de "tolerância 0", bem como do presidente Sebastián Piñera, responsável por 26 mortos, centenas de feridos e 2 000 prisões desde o início dos protestos, em 18 de outubro.

Antes, Piñera havia anunciado a convocação ao plebiscito de 26 de abril para decidir se a Constituição será parcialmente reformada ou se uma nova será redigida. Uma política enganosa, acordada com o Parlamento com a maioria dos partidos da oposição, que visa desencorajar a mobilização popular que exige acabar com toda a herança da ditadura de Pinochet.

À tarde, as forças repressivas concentraram-se em grande número na Plaza Dignidad e novamente fizeram uso de carros a gás, lançadores de água e cavalaria contra os manifestantes que, no entanto, voltaram repetidamente demonstrando que não estão dispostos a ceder público ou renunciar ao seu direito de mobilização e protesto.

Em meio à repressão, o Cinema Arte Alameda foi incendiado, um centro que abriga manifestantes reprimidos e o escritório de brigadas de primeiros socorros. Os manifestantes denunciaram que o incidente foi causado pelo lançamento deliberado de gás lacrimogêneo em direção ao telhado do local por Carabineros. Também em Antofagasta, centenas de manifestantes se reuniram para marchar pela cidade e foram reprimidos pela polícia.

Basta de repressão! O prefeito Guevara deve renunciar! Julgamento e punição aos responsáveis ​​pela repressão. Há uma semana, a repressão quase (mais uma vez) tirou a vida de Óscar Pérez, de 20 anos, esmagado entre dois carros da polícia, após o impulso da política de "tolerância 0" liderada pelo prefeito Felipe Guevara, e endossado pelo governo Piñera.

A política repressiva de Piñera e do prefeito Guevara, cujo objetivo é fechar a Plaza Dignidad e, assim, atingir os setores que permanecem mobilizados, gerou repúdio generalizado por várias personalidades, líderes e setores da população, que expressaram sua adesão a a exigência de "renúncia de Guevara", por ser o principal responsável político pela repressão sofrida na sexta-feira anterior.

Esse artigo foi originalmente publicado em La Izquierda Diario Chile.




Tópicos relacionados

Sebastián Piñera   /    Chile   /    América Latina   /    Repressão   /    violência policial   /    Internacional

Comentários

Comentar