Sociedade

GOVERNO WITZEL

Após nova operação, Witzel defende que policiais entrem nas casas dos moradores sem mandado

sábado 20 de julho| Edição do dia

Imagem: Cléber Mendes / Agência O Dia

Na última quinta-feira 18/07, o Comando de Operações Especiais (COE), a Polícia Militar e a Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil, executaram uma operação no Complexo da Maré, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Na operação foram apreendidas 30 armas, sendo 28 armas longas (fuzis e metralhadoras), duas de calibre 12, um revólver e uma pistola e mais cinco toneladas de drogas, incluindo 172 quilos de pasta base que poderiam virar 860 quilos de cocaína. Em entrevista, o governador Wilson Witzel disse que foi a maior apreensão da história do RJ e afirmou que "não terá piedade com que não tem respeito com o ser humano alheio".

O governador disse ainda que as armas apreendidas não são utilizadas por pessoas que moram na comunidade e são trabalhadoras: "Não são usadas por pretos, pobres e favelados. São armas usadas por terroristas, que usam a comunidade como escudo, e estão sendo patrocinados por cartéis internacionais", em resposta aos que criticam as ações do governo denunciando a política higienista e racista da guerra às drogas.

Gostaríamos de lembrar ao Governador que no último dia 12/03, a delegacia de Homicídios da Capital (DH) apreendeu no Rio de Janeiro 117 fuzis incompletos na casa de um amigo de Ronnie Lessa (ex-PM), suspeito de ter disparado contra a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes no ano passado. Segundo a Polícia Civil fluminense, a apreensão feita no endereço de Alexandre Motta Souza, pessoa próxima de Ronnie, é recorde na história do estado. Em 2017, 60 fuzis foram apreendidos no aeroporto do Galeão, maior quantidade registrada até então. Alexandre Motta Souza foi solto em junho.

No último 25/06, um militar da Aeronáutica foi preso, por porte de drogas em uma aeronave militar no aeroporto da cidade espanhola de Sevilha, onde o presidente Jair Bolsonaro faria escala na viagem rumo ao Japão para participar de reunião de cúpula do G20. O militar era tripulante do voo que transportava a equipe avançada de Bolsonaro, e foi preso com 39kg de cocaína.

No último dia 07/04 em ação militar de exército no subúrbio do Rio de Janeiro, o Comando Militar do Leste, fuzilou EVALDO DOS SANTOS ROSA depois de disparar 257 TIROS contra o carro do músico e sua família.

Para servir e proteger quem?

Apesar do discurso, os dados contrariam o governador. A verdade é que com todo seu ódio, Witzel não apresenta nenhuma solução para a questão da segurança pública. Com Witzel, a cada dia, a polícia do Rio de Janeiro mata cinco pessoas. Somente este ano já foram mais de 450 mortes, recorde desde que os dados começaram a ser contados, em 1998, e o Estado do Rio de Janeiro tem hoje número recorde de assaltos em ônibus e roubos de celulares.

Sabemos que Witzel e seu grupo ultra reacionário tem lado e não é dos trabalhadores em sua maioria negros. É desumano e racista banalizar e ignorar as vidas de centenas de milhares de pessoas que diariamente são exploradas pelos capitalistas, assim como a vida de centenas de milhares de crianças, filhos da classe trabalhadora. A “guerra às drogas” resulta em não mais que uma guerra aos pobres e uma desculpa para não legalizar as drogas e desmantelar o tráfico. É uma política de extermínio do povo negro.




Tópicos relacionados

Estado Policial   /    Wilson Witzel   /    Sociedade   /    violência policial

Comentários

Comentar