Internacional

EMERGÊNCIA CLIMÁTICA

Após incêndios massivos, enormes tempestades de poeira assolam a Austrália

Australianos conviveram, entre domingo e segunda, com gigantescas tempestades de poeira que tomavam os ceús transformando o dia em noite devido à crise climática que causou os incêndios. Além de chuvas de granizo do tamanho de bolas de golfe.

terça-feira 21 de janeiro| Edição do dia

Em vários locais do estado de Nova Gales do Sul, onde fica Sydney, apareceram as enormes nuvens de poeira, como pode ser visto em vídeos postados na internet as nuvens de terra avançando sobre ruas das cidades. Moradores das cidades de Dubbo e Parkes publicaram vídeos mostrando o céu completamente preto apenas alguns minutos depois de ter ficado laranja, como televisionou a rede americana CNN.

Segundo o Departamento de Meteorologia da Austrália, as tempestades de poeira devem ter sido provocadas por ventos fortes de até 107km/h em Dubbo e 95km/h em Parkes. O estado já passa por uma seca há anos, ou seja, a terra seca e o solo solto facilitam o levantamento de poeira.

A CNN apura que as chuvas não foram suficientes para apagar as chamas e não serão suficientes para acabar com a seca.

Na última quinta, 16, uma tempestade enorme já tinha atingido a cidade de Forbes, ao sul de Dubbo.

Ontem, segunda (20), Canberra, capital da Austrália, sofreu uma tempestade de granizo. Os pedaços tinham tamanho de bolas de golfe, de acordo com divulgação da CNN, e quebraram janelas e feriram dezenas de pássaros, disse Tom Swann, pesquisador do Instituto Australiano de Canberra. Há uma semana, o céu de Camberra já tinha ficado coberto de poeira dos incêndios.

O Departamento de Meteorologia alertou que a tempestade de granizo segue para o leste, em direção às cidades costeiras de Sydney, Wollongong e Newcastle, e que as cidades podiam ter "ventos prejudiciais (possivelmente destrutivos), grandes pedras de granizo (possivelmente gigantes) e fortes chuvas".

Milhares de pessoas já foram às ruas no país para responsabilizar o governo. Na sexta, 10, chegaram a pedir a demissão do primeiro-ministro Scott Morrison.

Em Melbourne, cerca de 10 mil pessoas se manifestaram também contra o desvio de dinheiro de recursos usados para emergência nos incêndios que o governo faz, segundo o jornal "The Washington Post".




Tópicos relacionados

Incêndios na Austrália   /    Internacional

Comentários

Comentar