GUERRA ÀS DROGAS

Após decisão do STJ, polícia não precisa de mandado desde que “sinta cheiro de maconha”

Segundo juízes, a polícia pode entrar em uma residência sem mandado de busca, desde que “sinta cheiro de maconha”.

quinta-feira 1º de março| Edição do dia

iMAAGEM: Smoke Buddies

O caso original foi em agosto de 2017, em Embu das Artes, na região metropolitana de São Paulo, quando policiais abordaram um homem na rua pedindo seus documentos. O homem alegou tê-los deixado em casa, e foi acompanhado pelos policiais até seu local de residência para buscá-los. Sem que ele fosse suspeito de nada, sem nenhuma acusação ou motivação, apenas por supostamente “sentirem cheiro forte de maconha”, os policiais entraram na casa, onde de fato encontraram a droga e efetuaram a prisão em flagrante.

No entanto, a defesa do acusado entrou com um recurso de habeas corpus por ilegitimidade e ilegalidade na conduta dos policiais, alegando que não havia nenhuma motivação legal que permitisse que entrassem na casa dele, o que levou o caso ao Supremo Tribunal de Justiça, que analisou o caso recentemente.

A resposta dos juízes foi que a polícia pode sim invadir uma residência sem nenhuma prova, sem sequer alguma suspeita fundamentada, sem que haja flagrante real. Apenas a alegação por parte da polícia de que sentiu um cheiro forte pode ser motivação para entrarem onde quiserem.

Não é difícil entender o que isso significa num período em que o autoritarismo policial e a violência contra a classe trabalhadora, em sua maioria pobre, negra e indígena, aumentam a cada dia, por trás da máscara de uma suposta Guerra às Drogas, que só serve exatamente para justificar a escalada repressiva enquanto finge fazer algo, sem resultados, contra o narcotráfico.

O que dizer, então, das liberdades democráticas, do princípio de presunção da inocência, de tudo aquilo que o Estado burguês supostamente garante para manter a “igualdade perante a lei”? Onde eles vão parar quando a polícia resolver entrar em qualquer lugar alegando qualquer coisa, e com o respaldo dos juízes que deveriam salvaguardar os indivíduos contra abusos desse tipo? Em tempos de intervenção militar, como no Rio de Janeiro, essas perguntas precisam ser feitas imediatamente.




Tópicos relacionados

Intervenção Federal   /    Guerra às Drogas   /    Corrupção Policial   /    Repressão   /    Violência Policial

Comentários

Comentar