Educação

UNIVERSIDADES EM CRISE

Após corte do governo Temer universidades correm risco de ter aulas suspensas em setembro

Em abril deste ano o governo golpista anunciou um corte de cerca de 4,3 milhões de reais no Ministério da Educação. O resultado desses cortes deixará centenas de universidades e institutos federais sem orçamento para o funcionamento de suas atividades básicas podendo afetar o calendário acadêmico levando à suspensão das aulas e atividades a partir de setembro.

quarta-feira 2 de agosto| Edição do dia

Imagem: Portal Nacional da Educação - PNE/Reprodução do Facebook

A falta de investimento já causou o corte de bolsas, o funcionamento de laboratórios de pesquisa, corte de salários de professores e funcionários, demissões de terceirizados, além de serviços básicos como água, luz, limpeza, segurança e paralisação de obras.

Os cortes nos investimentos sucateiam muito o ensino e a pesquisa, prejudicando a formação de milhares de estudantes pelo país. As demissões de terceirizados e o corte de salários dos professores e funcionários sobrecarregam os trabalhadores que sobraram além de precarizar as condições de trabalho nas universidades.

Toda essa política de cortes faz parte do projeto do Governo Federal para descarregar a conta da crise nas nossas costas. Sucateando o ensino público, precarizando as condições de ensino e de trabalho com a reforma trabalhista e da previdência, fechando universidades supostamente por falta de orçamento.

Não podemos deixar que esses ataques do governo prejudiquem nosso futuro para que os empresários continuem ganhando bilhões, a nossa formação e nossas vidas valem mais que os lucros deles.

Confira abaixo a lista das Universidades Federais prejudicadas que já sofreram cortes em serviços e bolsas e podem ter as atividades suspensas a partir de setembro:

Universidade de Brasília (UnB)
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)
Universidade Federal de Goiás (UFG)
Universidade Federal do Acre (Ufac)
Universidade Federal do Amapá (Unifap)
Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes)
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
Universidade Federal do Paraná (UFPR)
Universidade Federal do Piauí (UFPI)
(UFRGS, Unipampa, Furg e UFPel) - apenas área da pesquisa
Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN)
Universidade Federal de Rondônia (Unir)
Instituto Federal de Roraima (IFRR)
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Fonte: Portal Nacional da Educação - PNE

Pode te interessar:

Com o não pagamento de bolsas e salários, UERJ não iniciará o semestre

Sem plano de lutas, Reitoria adia início do ano letivo de 2017 na UERJ

Estudantes da UERJ decretam greve contra o desmonte da universidade

Docentes da UERJ iniciam nova greve




Tópicos relacionados

Universidades Federais   /    Educação

Comentários

Comentar