METRÔ SP

Ao invés de investir no transporte governo gasta 40 mil/mês com playlist de música

A playlist que vem sendo tocada nos vagões do metrô de São Paulo vão custar 40 mil por mês. Essa é a forma que o governo de São Paulo combaterá o stress do usuário, mas sabemos que a verdadeira causa está no plano político de sucateamento dos transportes para sua privatização.

Rafaella Lafraia

São Paulo

quinta-feira 12 de julho| Edição do dia

Você, usuário do metrô de São Paulo, já deve ter reparado que por estes dias sua locomoção vem sendo tomada por uma música ambiente nos vagões do trem. Segundo a Companhia do Metropolitano de São Paulo esta iniciativa é uma forma de diminuir o stress do usuário. Entretanto, essa ideia chega a ser cômica já que o próprio sistema de transporte é uma das principais causas de stress e não somente por ser cansativo ter que atravessar a cidade para ir de sua residência ao local de trabalho – como é a realidade de muitos trabalhadores – mas sim pelo sucateamento deste sistema como política vigente em pró da privatização do transporte.

É inegável as faltas de condições materiais nos transportes, como o superlotamento, trens e estações cada vez mais depredadas, a falta de trabalhadores para auxiliar, dentre tantas outras as quais não ficaremos citando por que alongaria a nota. Esse sucateamento visível e sentido diariamente por vários usuários e trabalhadores do metrô de São Paulo é uma política do governo do Estado para abrir brecha para a privatização, tentando ganhar a opinião pública para tal.

O que o Estado propagandeia aos “quatro ventos” é que não tem condições econômicas para manter o transporte público e assim vai aplicando inúmeros ataques aos trabalhadores do metro – vide as demissões feitas no decorrer dos anos – e aos usuários. Entretanto, essa iniciativa da companhia mostra essa hipocrisia, já que será pago a empresa responsável - o Instituto de Cultura e Cidadania (iCult) - pela lista de 200 músicas, que vem sendo reproduzidas pelo sistema de som já existente nos vagões, a bagatela de R$ 40 mil por mês pelo Governo de São Paulo, sendo matéria do Tecmundo.

Fica claro que essa tentativa de alívio ao usuário pelo Governo de São Paulo na realidade é uma enrolação já que a forma efetiva para diminuir o stress do usuário está na melhoria do transporte pública que perpassa pelo investimento e melhoria das condições de trabalho dos metroviários e dos trens. Obviamente isso não irá acontecer pelas mãos deste governo que participou do propinoduto e da fraude da merenda escolar. Também não será pelas mãos de empresas que só pensam em seus lucros e não nas condições do usuário.




Tópicos relacionados

Precarização do Transporte Público   /    São Paulo   /    Transporte

Comentários

Comentar