Internacional

BOLÍVIA

Áñez emite decreto buscando conter uma crise potencialmente explosiva

Jeanine Áñez emitiu um novo decreto com algumas medidas emergenciais, como o pagamento de um bônus para famílias com crianças em escola pública, para enfrentar a crise causada pelo COVID-19 (coronavírus). Medidas insuficientes para conter uma crise não apenas sanitária, mas também social, econômica e política potencialmente explosiva.

sexta-feira 20 de março| Edição do dia

Foto: Jeanine Áñez durante a mensagem de anúncio do decreto (La Razón)

Nesta quarta-feira, 17 de março, Jeanine Áñez emitiu um novo decreto com algumas medidas de emergência para enfrentar a crise sócio sanitária causada pelo COVID-19. A proibição de corte de serviços, moratória sobre dívidas, bônus familiar, fechamento de fronteiras por todas as vias e quarentena parcial são as mais importantes.

A chegada dessa pandemia está permitindo que o governo emergente do golpe de estado de novembro fortaleça e aumente o papel do exército e das forças de segurança na vida política e social do país, fortalecendo as vozes da direita e fascistas, como a do candidato à presidência da República pela aliança "Libre 21", Tuto Quiroga (vice-presidente do ex-ditador Hugo Banzer Suárez), que exigem a declaração de um Estado de Exceção. Ou do ministro do governo, Arturo Murillo, que ameaçou realizar patrulhas cibernéticas para impedir a divulgação de notícias "falsas" que agravaram a crise da saúde e que estariam sendo feitas por internautas relacionados ao MAS, que seriam procurados para serem presos.

Entre as medidas apresentadas não está apenas o acirramento da quarentena parcial decretada na segunda-feira, mas a proibição do corte de serviços domésticos essenciais, bem como o bônus familiar, que visa aliviar a grave situação de dezenas de milhares de trabalhadores e trabalhadoras precários e informais que, como resultado da quarentena imposta, não conseguem lidar com a grave situação econômica em andamento. Da mesma forma, há uma moratória sobre as dívidas bancárias enquanto durar a crise da saúde, que deve ser paga no final do empréstimo.

Medidas como o bônus e outras que têm um "apelo popular" procuram conter uma crise que, embora na conjuntura permita que Áñez endureça e fortaleça o Estado e suas forças repressivas, são potencialmente explosivas se não puderem controlar a crise.

Essas medidas de Áñez já estão sendo questionadas pelos setores mais de direita da classe média, que afirmam que seria uma questão de discriminação conceder esse novo subsídio às famílias cujos filhos frequentam escolas públicas, excluindo famílias que podem pagar por educação particular e privada para seus filhos. Da mesma forma, nas redes sociais, questionaram a medida como sendo de natureza "populista", o que consideram uma continuidade das políticas sociais adotadas pelo MAS em seus 14 anos de mandato.

A verdade é que as medidas ordenadas pelo governo golpista de Áñez, além de fazer parte de uma competição eleitoral acelerada, também são um reconhecimento da falta de definição da relação de forças entre as classes após o golpe de Estado de novembro. Elas nos fazem entender que a pura militarização, sem levar em conta os sérios problemas sociais do país, pode desencadear não apenas o fracasso das medidas de isolamento social para impedir a propagação do vírus, mas, e é isso que eles mais temem, uma resposta cada vez mais organizada de setores populares que se irão pagar o custo da crise.

Essas medidas, no entanto, longe de serem uma solução para a gravidade da crise e de nosso sistema de saúde, pretendem apenas ser um mecanismo de contenção durante as próximas semanas de quarentena, preservando os grandes negócios de saúde privados que não apenas não são afetados. Além de até agora, como relatam os profissionais de saúde, não há fornecimento sério de equipamentos e suprimentos necessários para enfrentar a possibilidade de infecções maciças nos próximos dias. O fornecimento gratuito de álcool gel, máscaras e outros artigos necessários para a população se proteger também não foi garantido. O decreto não leva em consideração a situação de milhares de famílias que precisam pagar aluguel e que não poderão obter os recursos para isso; o mesmo se aplica aos inúmeros processos de despejo que aumentam a insegurança das famílias nos setores trabalhadores e mais pobres da população.

Em nosso país, a grande maioria dos trabalhadores, como resultado das leis e disposições neoliberais que tornaram o emprego mais flexível e precário e que foram mantidas durante os 14 anos do governo do MAS, tornam a situação da grande maioria de trabalhadores do país muito grave, já que trabalhadores assalariados informais ou precários vivem dia após dia mostrando que a quarentena como medida preventiva de contágio é um privilégio de classe.

Além disso, apesar do endurecimento das medidas parciais de quarentena em todo o país, os trabalhadores são obrigados a arriscar sua saúde para manter a produção industrial e mineira e os serviços, que estão operando pela manhã até as primeiras horas da tarde, causando grandes multidões em mercados, escritórios e empresas durante a manhã.

Diante dessa situação, a Central Obrera Boliviana (COB), a Federação Sindical de Trabalhadores Mineiros da Bolívia (FSTMB) e a Federação Departamental de Trabalhadores do Magistério Urbano de La Paz (URMA-FDTMULP), entre outros sindicatos importantes liderados pela burocracia sindical machista e golpista, não pronunciaram uma única palavra sobre a gravidade da situação que ameaça os trabalhadores e o povo.

É urgente exigir a centralização imediata de todos os serviços de saúde públicos e privados sob o controle de trabalhadores, vizinhos e comunidades que, com a assistência de especialistas médicos, possam desenvolver um plano de contingência genuíno à serviço das grandes maiorias populares e não servindo à ganância de alguns empresários. Não podemos permitir que Larrea e os líderes do golpe ponham em risco a saúde de nossas famílias.

Como afirmamos na declaração da Fração Trotskista para a Quarta Internacional (FT-CI), é urgente que as organizações de trabalhadores liderem a luta para aumentar os orçamentos da saúde pública, afetando seriamente os lucros das grandes empresas capitalistas. Para isso, é necessário promover a organização para preparar a luta para impor impostos progressivos sobre grandes lucros, bem como uma drástica redução de orçamentos a serviço da repressão das Forças Armadas e da polícia, para que todos esses recursos sejam atendidos às necessidades de saúde surgidas com essa crise. Isso deve ser acompanhado pelo confisco de emergência de todos os recursos privados necessários para fornecer atenção e testes médicos adequados à população. Além disso, entre outras medidas urgentes, é necessário contratar todos os profissionais de saúde que estão desempregados hoje, bem como os estudantes de medicina do último ano.

Texto publicado originalmente em 18 de março, por Javo Ferreira, no La Izquierda Diario Bolívia, parte da rede internacional de diários La Izquierda Diario, da qual o Esquerda Diário faz parte.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Golpe de Estado Bolívia   /    Internacional

Comentários

Comentar