Economia

ENTREGUISMO

Alvo das privatizações de Temer, Eletrobras terá PDV com até 2,4 mil demissões de imediato

O Plano de Demissão Voluntária já é parte do processo de privatização imposto por Temer, o entreguista. Tudo para tornar a empresa “mais atrativa” para o capital internacional.

segunda-feira 2 de outubro| Edição do dia

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, disse nesta segunda-feira, 2, que a companhia deve abrir em breve um Programa de Demissão Voluntária (PDV), com expectativa de adesão de até 2,4 mil funcionários. Os administradores entreguistas já haviam criado o Programa de Aposentadoria Incentivada (PAI), que recebeu a adesão de 2,1 mil pessoas que passaram a se ver sem perspectivas com seu futuro na empresa. O presidente se gaba afirmando que gerou economia estimada em cerca de R$ 900 milhões por ano.

O novo programa tem como base o início da operação do Centro de Serviços Compartilhados (CSC), que deve entrar em operação em janeiro do ano que vem. "Sabemos que temos mais pessoas do que precisaremos com base nos novos processos estabelecidos e ofereceremos isso agora para esses empregados, para que a saída ocorra a partir de janeiro, tal qual a implementação", disse.
Ele lembrou que os funcionários que aderiram ao PAI ainda estão em fase de desligamento, com a saída de 15 por dia. O último grupo deve se desligar em 15 de dezembro.

Dizemos que os trabalhadores devem se organizar e boicotar qualquer tipo de plano de demissão, neste sentido a autoorganização é fundamental. E também devem se preparar, pois com o acirramento da crise é possível que num futuro próximo as demissões não sejam mais voluntárias. Assim, os trabalhadores devem estar preparados a proteger seus empregos com seus métodos como greves, ocupações e atos de rua.

O governo continua sendo o balcão de negócio dos patrões e para deixar uma empresa atrativa para o capital estrangeiro vale até deixar famílias inteiras nas ruas. Dizemos não! E não deixaremos isso passar em branco.
Confira o dossiê do Esquerda Diário sobre a Eletrobrás.




Tópicos relacionados

São Paulo (capital)   /    Economia   /    Política

Comentários

Comentar