CULTURA

Alquimia

Fábio Nunes

Vale do Paraíba

quinta-feira 20 de outubro| Edição do dia

Se eu fosse um destes poetas mágicos transformava poema em pombo e mandava ele cagar na cabeça oca do guarda

Consoante ia ser de chumbo

Escrevia cobra e pronto, tava lá o corpo estendido no chão

Roxo de raiva

Um ponto e já era

Vírgula virava foice rapidinho

Mas, sigo não sendo necessário

Tanto esmeril torno prensa taquicardia e o poema não consegue limpar nem a própria bunda




Tópicos relacionados

cultura

Comentários

Comentar