Gênero e sexualidade

DOSSIÊ 28 DE MAIO

Alerta sobre a possibilidade de 15 milhões de gestações indesejadas

Vários relatórios alertam sobre o menor acesso a métodos contraceptivos e o crescimento de gestações indesejadas na pandemia de Covid-19. Um impacto não calculado na vida da maioria das mulheres. A importância da saúde reprodutiva e do aborto legal.

Celeste Murillo

Argentina | @rompe_teclas

quinta-feira 28 de maio| Edição do dia

Texto Originalmente publicado no La Izquierda Diario Argentina.

Relatórios de várias organizações, como o Fundo de População da ONU, a Universidade Johns Hopkins (EUA, com um departamento de saúde de referência) ou o Instituto Guttmacher, alertaram para o potencial retrocesso em termos de saúde reprodutiva e direitos que a crise representa sanitários em andamento. Estes não são riscos diretamente relacionados ao vírus covid-19, mas sim com o acesso que os estados nacionais e locais devem garantir a métodos contraceptivos, saúde reprodutiva geral e formas seguras de interrupções voluntárias da gravidez.

O Instituto Guttmacher (um centro de estudos especializados em direitos reprodutivos) calculou que uma queda de apenas 10% no uso de contraceptivos reversíveis a curto e a longo prazo "resultaria em 49 milhões de mulheres vendo a necessidade de contracepção moderna não atendida em países de baixa e média renda. "Esse número aumentaria os 232 milhões que, devido à falta de acesso ou informações, não usavam métodos contraceptivos (antes da pandemia) para evitar gravidezes indesejadas.

A queda no uso de contraceptivos pode resultar em mais 15 milhões de gestações indesejadas. Isso, por sua vez, aumenta a possibilidade de abortos inseguros e, como conseqüência, uma maior taxa de mortalidade entre mulheres e pessoas com capacidade de gestação.

Além disso, de acordo com os cálculos do Instituto Guttmacher, uma queda de apenas 10% nos cuidados de saúde relacionados à gravidez e ao recém-nascido teria sérias consequências: 1,7 milhão de mães e 2,6 milhões de bebês sofreriam sérias complicações, as mortes maternas podem chegar a 28.000 e 168.000 mortes neonatais adicionais serão adicionadas às existentes.

Em relação ao aborto legal, o mesmo centro calculou que apenas uma redução de 10% no acesso ao aborto legal (nos países onde esse direito existe), o número de práticas inseguras aumentaria para três milhões e seriam adicionadas mil mortes por abortos inseguros. Esse perigo não é uma abstração, pois a pandemia foi uma desculpa usada em vários estados dos Estados Unidos para cortar o acesso ao aborto legal. Se não houve progresso, foi devido à decisão das organizações que defendem os direitos de reprodução e organizações de direitos humanos, que desafiaram na justiça as medidas restritivas.

Na Argentina, na terça-feira, foi conhecida a morte de uma jovem de 22 anos na província de Formosa , como resultado de um aborto clandestino. O isolamento social obrigatório apenas aumenta os riscos de abortos realizados em condições inseguras, pois atrasa as consultas com hospitais e centros de saúde. O estigma e a criminalização são agravados pelo medo de contágio e pelas dificuldades de movimentação.

Diante da possibilidade de um retrocesso histórico

Uma pesquisa realizada pelo Fundo de População da ONU revelou que cada trimestre de interrupções nos serviços de saúde sexual e reprodutiva pode se traduzir em mais dois milhões de mulheres sem acesso a contraceptivos. Esse declínio representará o maior dos últimos 30 anos: de 1990 a 2018, o número de usuários de contraceptivos aumentou de 470 para 840 milhões (quase o dobro).
Com a introdução da pílula contraceptiva na década de 1960, as mulheres se depararam com a possibilidade de planejar uma gravidez de forma independente (não precisavam do sim do namorado ou do marido como aconteceu - e acontece - com o preservativo) e confortáveis (até então, apenas a esponja ou diafragma era usada, o que exigia preparação). Essa mudança foi um antes e um depois na vida de milhões de mulheres: elas podiam planejar, e não apenas o número de filhos; eles podiam pensar em estudar, em trabalhar. Embora muitos preconceitos persistam, a disseminação do uso de contraceptivos representa um aspecto fundamental da saúde da mulher.

Barreiras ao acesso à saúde reprodutiva não é o único problema enfrentado pelas mulheres na pandemia. No contexto de isolamento social obrigatório, a violência masculina aumentou na maioria dos países que implementaram períodos de quarentena .

Garantir o acesso a medidas básicas, como contracepção, responde a uma parte da saúde sexual e reprodutiva. Enquanto a interrupção voluntária da gravidez for criminalizada e a maioria dos abortos for realizada em segredo, qualquer crise de saúde representará apenas maiores riscos à saúde das mulheres.




Tópicos relacionados

dossiê28M   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar