CRISE NO RIO

Alerj terá sessão extraordinária hoje para votar a liberação de Picciani, acompanhe aqui

sexta-feira 17 de novembro| Edição do dia

O deputados estaduais do Rio de Janeiro tem uma reunião extraordinária na Assembleia Legislativa do RJ no dia de hoje, com o objetivo de anular a prisão de Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, deputados estaduais do PMDB alvo da operação ’Cadeia Velha’ que tiveram a prisão decretada pelo Tribunal Regional Federal (TRF-2) no dia de ontem.

A reunião relâmpago, convocada ontem mesmo, tem o objetivo de liberar o atual presidente da Alerj, Picciani, assim como o anterior, Paulo Melo, e o líder do governo na Assembléia, Edson Albertassi. Todos estes são apontados pela Polícia Federal como membros de um esquema de corrupção do qual a população do Rio de Janeiro já está caduca de saber: favoreceram empresários com benefícios fiscais, bilionárias isenções, cerca de R$ 138 bilhões em 5 anos, R$ 185 bilhões no total segundo a conta de alguns.

Também leia: Fortuna de Picciani, Barata e outros corruptos deveria servir para pagar servidores do RJ

A inovação dos deputados da Alerj tem como base a decisão do Supremo Tribunal Federal para o caso Aécio, no caso em que deu prerrogativa ao legislativo para decidir sobre a questão Penal, liberando o Senador. Esta prerrogativa já foi usada em diversas Assembleias estaduais e Câmaras Municipais para liberar parlamentares que eram mentidos em prisão até antes da decisão sobre Aécio, e é por isso que os políticos corruptos do estado do Rio de Janeiro tanto se apressaram para acelerar a liberdade de Picciani.

Na Alerj, às 13h começará a sessão da Comissão de Constituição e Justiça; e às 15h se iniciará o plenário aonde os deputados irão votar. Seguiremos dando cobertura à votação aqui, acompanhe tudo no Esquerda Diário.

Mantendo o essencial do script, a Lava-Jato atuou para tentar desgastar a imagem dos políticos tradicionais do regime, mas sem com isso mexer no fundamental. Não é à toa que Pezão, aquele que escreve, sanciona e ordena as isenções fiscais aos capitalistas do Estado, sequer é citado na investigação dos delegados da PF. É porque a Lava-Jato tem um objetivo em comum com estes políticos, que é garantir os ataques aos trabalhadores do Rio de Janeiro, e isto Pezão ainda está conseguindo fazer. Mesmo Pezão tendo indicado Edson Albertassi, homem da aprovação das contas de Cabral e Pezão, entre ele e a PF há um pacto diplomático de "não agressão".

Leia mais: Picciani, Paulo Melo e Albertassi na mira da Lava-Jato, mas Pezão é poupado

Picciani, aliás, estaria mantido preso junto à Cabral em Benfica, em uma cela especial esperando para ser solto, afinal de contas, a Justiça Burguesa não é a mesma para políticos capitalistas, do que é contra os negros e pobres vítimas da repressão nas favelas. Picciani nunca correu o risco de pegar tuberculose na cadeia, como foi o caso de Rafael Braga preso injustamente duas vezes com flagrante forjado, e isso é mais uma demonstração de que a solução para a corrupção capitalista no estado do Rio não poderá vir da polícia e da justiça burguesa.

Pezão, Picciani, Paulo Melo, Albertassi, Jacob Barata Filho e todos os empresários capitalistas (e são muitos) que foram beneficiados pelos esquemas de corrupção, deveriam ter suas fortunas expropriadas e o dinheiro deveria ser usado no pagamento de todos servidores públicos com salário atrasado, no financiamento da UERJ e demais universidades estaduais como UEZO e UENF, no financiamento de insumos e pagamento aos servidores dos hospitais, escolas e demais serviços de todo o estado do Rio de Janeiro, pela reabertura dos restaurantes populares e por um plano de obras públicas para empregar a massa de desempregados e construir moradias para os mais necessitados que hoje moram nas ruas enquanto estes os políticos e capitalistas que roubam o povo vivem do bom e do melhor.




Tópicos relacionados

Alerj   /    Luiz Fernando Pezão   /    Operação Lava Jato   /    Corrupção   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar