Política

ALCKMIN QUER CENSURAR TWITTER

Alckmin pede para Justiça que silencie usuários do Twitter contrários ao ladrão de merenda

O governador Geraldo Alckmin, pediu à Justiça de São Paulo a quebra do sigilo cadastral de seis usuários do Twitter que, em postagens na rede social, o chamam de ladrão de merenda e corrupto.

Guilherme de Almeida Soares

São José dos Campos

quarta-feira 9 de novembro| Edição do dia

O Twitter é o alvo da ação. O governador de São Paulo quer os IPs, espécie de endereço virtual das máquinas onde foram feitas as postagens, além de dados cadastrais - nome e e-mail dos seis usuários.

No processo, Alckmin argumenta que comentários feito por eles ’’extrapolam os limites da liberdade de expressão’’ e pede que a Justiça autorize a quebra do sigilo para que possa, depois, processá-los individualmente. O governador de São Paulo anexou ao processo cópias das mensagens que considerou ofensivas e contabilizou o número de vezes que um dos perfis se dirige a ele.

De acordo com o advogado do governador "A cada três postagens desse perfil, uma se refere ao autor [Alckmin], sempre negativamente, e, algumas vezes ultrapassando os limites do tolerável (...) Não restou alternativa, que não a propositura da presente (...), pois, sem as informações que se busca, não há como realizar a citação de cada um dos responsáveis para apuração de sua conduta pelo poder Judiciário", conclui.

Um dos internautas questiona em um dos textos "O ladrão do governador desviou a verba da merenda e ninguém fala nada". Depois chega a questionar se os "netos [de Alckmin] também comem merenda com lagartixa ou são só os filhos dos trabalhadores de São Paulo".

O advogado de Alckmin pediu que o processo tramitasse em segredo de Justiça, o que foi negado pelo juiz que assumiu o caso.

Esta postura tomada pelo governador Geraldo Alckmin vai no sentido contrário ao direito de liberdade expressão, que está previsto na Constituição de 1988. Isto mostra que Alckmin e seus comparsas são incapazes de punir os envolvidos neste caso de corrupção, pois ao contrário de fazer uma investigação efetiva sobre o caso, prefere calar aqueles que se colocam contra este escândalo de corrupção.

Conforme denunciamos neste site, o escândalo da corrupção da merenda escolar envolve pessoas que são bem próximas a Alckmin. Só por aí já dá pra entender porque Alckmin prefere silenciar aqueles que se posicionam contrariamente a este escândalo de corrupção. Lembrando também que a repressão foi uma das respostas tomada por Alckmin contra os estudantes secundaristas que fizeram inúmeros protestos contra a corrupção das merendas.

Do outro lado, isso mostra que Geraldo Alckmin quer se blindar de todas as formas para poder se eleger presidente do país em 2018. A intenção de Alckmin ao concorrer a este cargo é se colocar como uma alternativa para os grandes empresários e banqueiros e implementar as medidas impopulares que o imperialismo está desejando. Isso porque quer fortalecer a ideia de que, caso Temer fracasse em implementar os ataques contra os trabalhadores e demais setores populares da sociedade, o imperialismo possui o PSDB como alternativa para fazer este trabalho.

A luta para punir o ladrão de merenda tem que ser parte da luta contra os ataques à educação, que está levando milhares de jovens a ocuparem escolas, institutos federais e universidade. Só através da luta independente dos estudantes, professores e demais trabalhadores da educação que iremos punir os responsáveis pelo esquema de corrupção das merendas escolares e expropriar todos os seus bens.




Tópicos relacionados

Máfia das Merendas   /    Alckmin   /    Política

Comentários

Comentar