Educação

SUCATEAMENTO DO ENSINO

Alckmin fecha sala de aula em escola e turmas chegam a 45 alunos por sala

A sala de aula do terceiro ano do ensino fundamental da Escola Estadual Visconde de Itaúna, no Ipiranga (zona sul), foi fechada devido à falta de professores.

quinta-feira 21 de setembro| Edição do dia

As três salas de aula da escola que tinham 30 alunos foram alocadas. Uma sala foi fechada e os alunos foram para as outras duas totalizando 45 alunos por sala. Esse argumento de que não há professor não se sustenta, pois o que não falta são professores querendo trabalhar, porém não há abertura de concurso público no estado de SP.

Além disso, como já publicado em matéria do Esquerda Diário muitos professores se afastam por exaustão. Veja em “Exaustão faz professores da rede pública se afastarem 30 dias no por problemas de saúde”

Segundo reportagem do Agora, os pais dos alunos disseram que enquanto não houve e a relocação das salas de aulas os alunos eram colocados em salas de outras séries também o que afeta diretamente o conteúdo de sua série. Por lei, as salas de aula devem ter no máximo 30 alunos o que já um absurdo, pois não há como o professor dar aula para seis turmas de 30 alunos e ainda levar em consideração a individualidade de cada aluno ligada ao conteúdo.

Em nota, a Diretoria de Ensino Centro-Sul da Secretaria de Educação do governo Alckmin (PSDB) afirma que a falta de professor será resolvida na próxima semana e que a turma que foi dividida em outras duas salas será formada novamente. De acordo com o texto, "todo conteúdo será reposto sem prejuízo aos alunos". Afirma ainda que o governador assinou, sexta-feira, a nomeação de 419 professores de Pebi (Anos Iniciais do Fundamental 1º ao 5º ano).

Sabemos que essa reposta é uma falácia, pois desde o levante secundarista em 2015 que lutava contra o fechamento de salas de aula, e que por um tempo conseguiu adiá-lo, Alckimin vem fechando salas de aula sistematicamente e dessa maneira sucateando ainda mais o Ensino Público de São Paulo. Leia também: “Alckimin fecha 889 salas de aula e abre mais de 2 mil vagas em presídios”.




Tópicos relacionados

Crise na Educação   /    precarização   /    Educação   /    Educação   /    São Paulo (capital)

Comentários

Comentar