Internacional

ESTADO ESPANHOL

Airbus Espanha: CGT convoca greve por tempo indeterminado frente à recusa da empresa em parar a produção

O sindicato da CGT, após consultar sua afiliação, chama uma greve por tempo indeterminado na Airbus a partir de 30 de março, na qual oferece cobertura a todos os trabalhadores, independentemente da afiliação sindical. A medida é uma resposta à recusa da administração da Airbus de interromper a produção em todos os seus centros no Estado Espanhol em meio à crise sanitária.

quarta-feira 25 de março| Edição do dia

Nesta semana, a CGT anunciou a convocação de uma greve geral por tempo indeterminado na Airbus Espanha, especificamente nos centros de trabalho Getafe, Illescas, Barajas, Tablada e Albacete. A greve começaria em 30 de março e a CGT oferece cobertura a todos os trabalhadores que desejarem ingressar na iniciativa, independentemente de serem ou não membros do sindicato.

Os motivos da greve se baseiam na recusa da administração da Airbus de interromper a produção em meio à uma crise sanitária. Os trabalhadores argumentam que este é um setor não essencial que deve ser paralisado e que eles, juntamente com suas famílias, não devem colocar em risco sua saúde, em uma atividade que hoje não contribui em nada para a luta contra o coronavírus.

Na semana passada, de 16 a 20 de março, a pressão dos trabalhadores conseguiu paralisar a produção. No entanto, na segunda-feira, 23 de março, os turnos voltaram à operação normal, como denunciado por Miguel Fadrique, secretário-geral da Federação Estadual dos Sindicatos da Indústria Metalúrgica-CGT.

O sindicato denuncia a falta de contêineres biossanitários e equipamentos de proteção individual. Considerando-se que somente no Getafe, 12.000 pessoas vão diariamente à fábrica e que, segundo os próprios trabalhadores, é impossível manter a distância de segurança, é óbvio que a força de trabalho está exposta a sérios riscos de saúde.

O comitê de trabalhadores teria tentado dialogar com a administração da Airbus e com a Inspeção de Trabalho, recebendo passividade e retorno ao trabalho, por um lado, e, no caso da Inspeção, eles permanecem sem resposta, conforme relatado por Fadrique em 25 de março.

A CGT coletou os dados de incidência de COVID-19 ou Coronavírus na força de trabalho da empresa, sendo os seguintes:

Aos quais seria adicionado um total de 3 casos de pessoas recuperadas. A esses dados, para contextualizar, devemos acrescentar que Getafe, onde podemos ver que a maioria dos casos está concentrada, é um dos municípios com maior saturação no hospital universitário, o que acrescenta mais problemas à situação da saúde.

A CGT tentou acrescentar o restante dos sindicatos do conselho de trabalhadores à iniciativa, mas infelizmente eles não quiseram apoiá-la. Apesar de, como a CGT expressa, ser uma necessidade para proteger a saúde dos trabalhadores e uma medida lógica, pois apenas 1-2% da força de trabalho é necessária para a manutenção das máquinas, pois não é um setor essencial da produção. "Fazer aviões não é essencial no momento", disse Fadrique.

O exemplo da Airbus France: "Que a empresa doe máscaras para os trabalhadores da saúde ou não voltaremos ao trabalho"

Esta situação não é exclusiva do Estado Espanhol, nem o sentimento da equipe da Airbus Espanha é isolado, muito pelo contrário. Como Gaëtan Gracia, delegado sindical da CGT Talleres Haute-Garonne, subcontratada da Airbus, em Toulouse (França), expressou em uma entrevista para Izquierda Diario, os trabalhadores não devem colocar sua saúde em risco em benefício dos empresários.

Portanto, enquanto a gigante aeronáutica francesa pressiona suas fábricas a voltar ao trabalho, apesar da grande crise sanitária, os trabalhadores exigem medidas como: 1) a doação das máscaras que a Airbus possui aos agentes de saúde franceses (a empresa tem um estoque escandaloso de 20.000 máscaras, que está escasso no setor de saúde francês); 2) a aplicação de medidas sanitárias drásticas para proteção dos trabalhadores; 3) a existência de um comitê de controle composto por delegados eleitos pelo comitê de trabalhadores e por todo trabalhador que desejar ingressar na atividade do referido comitê, para orientar a aplicação das medidas necessárias, desde que não confiem na administração da empresa e, por último, 4) a manutenção de todos os empregos, incluindo trabalhadores temporários, sem perda de salário.

Como Gracia explica, a chave agora é combater o coronavírus. Por esse motivo, os funcionários da Airbus em Toulouse se ofereceram para estudar a reconversão da produção, com o objetivo de começar a produzir respiradores artificiais em vez de peças para aeronaves, como forma de contribuir para a luta contra o coronavírus que afeta a saúde da população na França e no mundo. "Teríamos orgulho de fazer respiradores artificiais para todos", afirmam os funcionários da Airbus Toulouse. Um imenso exemplo de solidariedade de classe que transcende não apenas a fábrica, mas as próprias fronteiras.

Quão extraordinário seria se a solidariedade e a coordenação se estendessem entre todas as fábricas da Airbus na França, no Estado espanhol e na Europa e, juntamente, as medidas de luta e organização propostas por seus trabalhadores. A adoção de uma política comum contra a ganância dos capitalistas, que não hesitam em sacrificar a vida dos trabalhadores para manter seus lucros, como denunciam os trabalhadores da Airbus em ambos os lados dos Pirineus, é essencial para fortalecer a luta da nossa classe e prenuncia uma solução da classe trabalhadora para esta crise. Porque nossas vidas valem mais que o lucro deles.

Texto originalmente publicado em espanhol no La Izquierda Diario Estado Español, integrante da Rede Internacional de Diários La Izquierda Diario.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Greve   /    Internacional

Comentários

Comentar