Política

PEC 241

Agraciados por novo banquete de Temer, deputados aprovam a PEC 241 novamente

terça-feira 25 de outubro| Edição do dia

Foi a votação agora pouco na Câmara de Deputados o segundo turno da emenda constitucional que ataca a educação, saúde e todos gastos públicos por 20 anos, congelando os gastos conforme a inflação. A PEC 241 é um projeto prioritário de Temer para mostrar aos empresários e ao imperialismo que está disposto a sacrificar os direitos dos trabalhadores em nome de manter uma suposta responsabilidade fiscal que em nada toca os privilégios dos políticos, juízes nem o maior gasto do orçamento pública, a dívida interna e externa.

Seguindo o roteiro do primeiro turno da votação, Temer organizou um banquete com os deputados para lhes “abrir o apetite” em nos atacar. Esse banquete e outros privilégios do alto escalão da política nacional não são tocados pelo corte orçamentário que tem como alvo somente os trabalhadores e os direitos sociais.

Antes da votação da PEC, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) mandou retirar os manifestantes na galeria da Câmara. Antes disso fez ameaça dizendo "teremos mais votações polêmicas daqui em diante, se for assim a reforma da Previdência será votada sem ninguém na galeria."

Por 359 votos a favor e 116 contra, e duas abstenções foi aprovada essa segunda tramitação desse ataque contra os direitos sociais.

Após essa segunda votação na Câmara a PEC passa a tramitar no Senado, onde após esperada aprovação vai para sanção presidencial.

Em todo país mais de mil escolas e centenas de outros tipos de instituições como universidades e Institutos Federais estão ocupadas contra essa medida e outros ataques do governo Temer. Apesar desta disposição de luta da juventude as grandes centrais ligadas ao ex-governo Dilma, como a CUT e a CTB seguem em uma trégua com os ataques sem organizar um plano de luta contra o governo golpistas e seus ataques que sacrificarão a saúde e educação de gerações.




Tópicos relacionados

PEC 241/55   /    Governo Temer   /    Política

Comentários

Comentar