Política

LAVA JATO

"Agora nós somos os golpistas dos golpistas?” ironiza coordenador da Lava Jato

A convite da ala paulista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), o coordenador da operação Lava Jato Deltan Dallagnol fez visita a São Paulo na quarta-feira (14) para palestrar em evento no Congresso de cirurgia plástica promovido no luxuoso Grand Hyatt Hotel.

Julia Rodrigues

Estudante da EACH USP

quinta-feira 15 de junho| Edição do dia

O egocentrismo refinado do procurador surpreende logo na abertura de sua palestra: "gosto de quem gosta de mim". Foi como começou ao afirmar "Gosto dos médicos porque médicos gostam da Lava Jato." aos cerca de 1.100 expectadores que aguardavam “uma explicação sobre o que é Lava Jato", como disse o cirurgião plástico Rolf Gemperli antes na apresentação do convidado.

Cômico se não fosse trágico umas das principais figuras da Lava Jato ir a um evento de médicos cirurgiões defender que o Brasil precisa de uma cirurgia plástica. "O país está desfigurado. Precisamos de uma cirurgia reconstrutiva. Acho que vim no lugar certo para pedir ajuda", exclamou o procurador para cativar os presentes. Piada pronta de uma tragédia que dura faz alguns anos.

O objetivo da Lava Jato não é realmente acabar com a corrupção, e sim maquiar com procedimentos cosméticos a situação do país prendendo um punhado de políticos e empresários quando a corrupção é generalizada entre os principais partidos do país, entre os principais países do mundo. A corrupção e o capitalismo andam lado a lado, são duas faces da mesma moeda.

Saiba mais: A corrupção como negócio capitalista

A Lava Jato não é uma operação imparcial e isenta, muito menos quer salvar o Brasil como tenta transmitir Dallagnol. A Justiça do país mantém 40% de sua população carcerária presa sem julgamento, maioria pobre e negra. Moro e Dallagnol são filhos desse sistema arbitrário que se estende também para a Lava Jato com seus métodos autoritários que a cada dia se fortalece mais e mais com o aprofundamento da crise política.

Quando Dallagnol afirma "Nós antes éramos os golpistas. Agora nós somos os golpistas dos golpistas? Eu fico confuso" não menciona o porque do Judiciário brasileiro protagonizar um golpe dentro do golpe. Depois de apoiar o golpe institucional que derrubou a presidente Dilma Roussef e sustentar Temer no governo, agora os interesses giram em torno de assentar um nome para passar as reformas, algo que está difícil para Temer. Mas ele já afirmou que vai até o fim, veremos.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, colega de Dallagnol, também procurador do Ministério Público Federal (MPF), deixa Joesley transitando com Ticiana, sua esposa, em Nova York com um acordo firmado entre a PGR e a JBS que praticamente deu imunidade total ao empresário que agora negocia uma dívida insignificante levando-se em consideração o patrimônio de bilhões da empresa, grande parte em dólares, já que 80% da receita da empresa está fora do país.

Janot e a Lava a Lava não possuem uma relação direta, mas são frutos do mesmo Judiciário. A operação de Moro deixa os delatores fingirem punições em suas mansões sob o pretexto de prisão domiciliar esbanjando privilégios.

"Você já teve um paciente que se olhava no espelho e se achava mais bonito do que era?". Pois bem, "o Brasil se olhava no espelho e se achava mais bonito do que era. A corrupção vende ilusões", prosseguiu o procurador. Dallagnol, não é apenas a corrupção quem vende ilusões, a Lava Jato vende ilusões tão vazias quanto estas quando vende a ideia de acabar com uma lógica corrupta e pretende com isso fortalecer o judiciário brasileiro perante um grupo de médicos tão privilegiado quanto os juristas e políticos desse país.

Não confio na Lava Jato porque ela mente e manipula. Porque ela não está interessada em acabar com a corrupção até o fim, porque ela faz parte desse mesmo Judiciário que mantém os pobres do país encarcerados sem julgamento.

Entenda porque a Lava Jato não é justa e não combate a corrupção.




Tópicos relacionados

Operação Lava Jato   /    Política

Comentários

Comentar