Política

AÉCIO RETORNA AO SENADO

Aécio se diz vítima de "injustiça" e volta impune ao Senado defendendo Temer e as reformas

Após 46 dias afastado do senado Aécio Neves retorna e faz discurso de 20 minutos em defesa do governo de Temer e das reformas.

quarta-feira 5 de julho| Edição do dia

O afastamento efetivado pelo procurador geral da República, Rodrigo Janot, envolvendo denúncia de propina num esquema com Joesley Batista, deixou Aécio Neves (PSDB) por mais 46 dias fora de suas atividades parlamentares. O ministro Marco Aurélio Mello, do STF, decidiu pelo seu retorno.

Em discurso de 20 minutos realizado ontem (4), em seu retorno, Aécio reforçou seu apelo, dizendo ser inocente da acusação de propina e que foi vítima de uma "trama ardilosa". Ainda disse que sua família serviu de "massa de manobra" e que não houve propina nos casos envolvendo Joesley Batista.

O senador tucano enfatizou a defesa do governo Temer, elogiou o presidente golpista pelo fato de continuar a trabalhar pela aprovação das reformas, mesmo com a crise em seu governo. Deixando novamente nítido o motivo do golpe institucional, que era de descarregar mais rápido possível a crise criada pelos capitalistas nas costas dos trabalhadores, assegurando o lucro dos empresários.

A sessão ainda contou com o apoio do presidente do senado, Eunicio de Oliveira (PMDB), que deixou o tempo exclusivamente para Aécio falar, sem sequer poder ser questionado. Os senadores da oposição se retiraram, alegando que não serviriram de plateia para Aécio.

Contando então basicamente com tucanos e a base do governo no plenário, Aécio cotinuou sua defesa e de sua família. Disse que jamais "permitiu que familiares fossem usados como massa de manobra", esquecendo de citar que no áudio da conversa gravada com Joesley, o senador indica seu primo, Frederico Pacheco, como a pessoa que deverá receber os R$ 2 milhões para pelo empresário da JBS para a suposta defesa. "O Fred. Tem que ser um que a gente mata ele antes dele fazer delação".

Ainda reclamou da Justiça, dizendo que foi "condenado previamente sem defesa". Mesmo contando com a ajuda em todas as instâncias, no STF Marco Aurélio decidiu devolver seu mandato, sua família que havia sido presa, rapidamente foi solta. Sem contar o histórico de casos envolvendo sua família.

Aécio Neves é um dos quadros que explicita a corrupção do governo Temer, que lá está apenas para manter o plano de aplicar as reformas. Segue usufruindo dos privilégios pelo seu posto para ficar impune a qualquer crime, ao passo que trabalha para aprovar os ataques ao trabalhadores.




Tópicos relacionados

JBS   /    Golpe institucional   /    PSDB   /    Aécio Neves   /    Governo Temer   /    STF   /    Senado   /    Corrupção   /    Política

Comentários

Comentar