Internacional

DESMATAMENTO

"Adoraria explorar a Amazônia com os EUA!’’, disse Bolsonaro escancarando sua sanha capitalista

"Adoraria explorar a Amazônia com o Estados Unidos!’’ Essas foram as palavras de Bolsonaro para AI Gore, ex-vice presidente no EUA em Davos, Suíça. Essas palavras são partes do documentário Alemão O fórum, e a cerimônia foi gravada em janeiro de 2019, primeiro ano do governo Bolsonaro no Brasil. Já no início do governo Bolsonaro sinalizava para o Estados Unidos o Brasil como porta de entrada para suas explorações.

terça-feira 25 de agosto| Edição do dia

Foto: JIM WATSON / AFP

O governo de Bolsonaro, Mourão e militares tem sido um verdadeiro capacho do imperialismo norte americano. Não é a primeira vez que Bolsonaro tenta se colocar como grande aliado e submisso ao Trump, e essa fala do Bolsonaro (logo após a sequência de incêndios na Amazônia que chocaram o país no ano passado) é parte disso.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Sallles, na reunião ministerial de 22 de abril disse que era para aproveitar a pandemia para passar a boiada, se referindo ao desmatamento massivo que planejaram. Como consequência, dados coletados pela plataforma Modis da agência espacial americana (NASA), e divulgados pelo Instituto de Pesquisa Ambiental (Ipam), apontam novos índices em que 71% das queimadas em imóveis rurais entre janeiro e junho de 2020 ocorreram para manejo agropecuário (forma de limpeza do pasto para reaproveitação em monoculturas e/ou pecuária), número esse que, no mesmo período de 2019, alcançava 36%. Segundo o relatório divulgado pelo Ipam, outros 24% das queimadas no primeiro semestre de 2020 ocorreram por incêndios florestais (fogo que atinge a vegetação nativa normalmente por decorrência de áreas próximas já atingidas por queimadas) e 5% referentes a desmatamento recente (queima de árvores derrubadas após desmatamento). O método de queimada é uma das principais formas de esvaziamento das áreas aos interesses dos agronegócios.

O vice de Bolsonaro, General Mourão, é uma das figuras do regime com maior responsabilidade sobre os desmatamentos ocorridos durante esse período, pois é o chefe do Conselho Nacional da Amazônia, órgão responsável pela coordenação e acompanhamento da implementação das políticas públicas nessa área. Por diversas vezes Mourão foi um fomentador dos ataques aos povos indígenas na Amazônia, se mostrando um verdadeiro odioso aos povos originários do Brasil.

Esse é o governo de extrema-direita de Bolsonaro que ataca os trabalhadores e até mesmo os recursos naturais do país. Para os capitalistas o meio ambiente tem que servir para a produção de lucros, independente se isso pode prejudicar a população. O governo Bolsonaro e Mourão leva até as últimas consequências o sistema capitalista enquanto um sistema em degradação tão grande que não isenta nem a própria natureza da ganância e sede de lucros.

A luta em defesa ao meio ambiente tem que ser também uma luta contra o governo de extrema-direita de Bolsonaro e enfrentar os interesses do agronegócio e as políticas imperialistas dos EUA. Mas para isso acontecer os trabalhadores têm que decidir o rumo do país, formulando novas leis de preservação ambiental a partir de escolher seus próprios representantes. Por isso o Esquerda Diário defende uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana imposta pela luta, pois é através dela que os trabalhadores poderiam enfrentar o conjunto reacionário desse regime e os próprios interesses imperialistas. As eleições impõem a nós que decidamos a cada 2 anos entre um punhado de jogadores desse regime, mas com uma nova constituinte podemos mudar as regras desse jogo viciado para os capitalistas sempre ganharem, enquanto a população e a natureza pagam a conta. Por uma nova constituinte que ponha fim ao desmatamento financiado pelo agronegócio!




Tópicos relacionados

Amazônia   /    Governo Bolsonaro   /    Jair Bolsonaro   /    Internacional

Comentários

Comentar