Negr@s

ESTADO QUE CHACINA

Mais uma criança e 7 assassinados pelo Estado na Maré: basta de matar o povo pobre e negro!

Operação no complexo da Maré deixa 7 mortos, inclusive um adolescente que estava indo para escola. Basta de assassinar o povo pobre, negro e nossa juventude!

Carolina Cacau

Foi candidata a vereadora do MRT em 2016, é estudante da UERJ e professora da rede estadual.

sexta-feira 22 de junho| Edição do dia

Ontem o Complexo de favelas da Maré foi palco de mais uma operação assassina da polícia, desta vez com a ajuda do exército. Como sempre nessas operações, ocorreram coisas absurdas que precisamos lutar para dar um basta.

Um helicóptero da polícia civil ficou sobrevoando a área e atirando indiscriminadamente, como se pode ver nesse vídeo.

As escolas estavam funcionando em meio à operação. Dessa vez foram 7 mortos, inclusive um adolescente de 14 anos. O adolescente morto, Marcos Vinicius da Silva, tinha saído de caso para ir à escola, bem na hora que a operação começou. No meio do tiroteio tentou voltar para casa, mas foi atingido com um tiro no abdômen a 100m de onde morava. Os moradores ainda gritaram que era estudante, porém a polícia não ligou e o adolescente teve de ir para a UPA no carro dos próprios moradores, já que a ambulância que iria levá-la foi bloqueada de entrar na comunidade. Marcos Vinicius não resistiu aos ferimentos.

Infelizmente essa cena não é uma exceção. As operações policiais nas favelas cariocas são uma constante na vida dos moradores, causando terror e deixando inúmeros mortos, incluindo crianças e inocentes, que vivem em meio aos enfrentamentos em uma guerra que só serve para aumentar o lucro de um punhado de capitalistas que desfrutam do lucro advindo do tráfico de drogas e de armas, enquanto derramam sangue dos moradores pobres e negros, que vivem oprimidos entre as forças militares do Estado (todas as polícias e agora o exército com a famigerada intervenção federal), o tráfico e as milícias. A polícia brasileira é a mais assassina do mundo e principalmente a do Rio, que deixou só no ano passado, mais de mil mortos segundo o Instituo de Segurança Pública.

Mataram a Marielle porque queriam calar uma voz que denunciava esse tipo de absurdos, mas não vão nos deter. Vamos seguir denunciando com todas as nossas forças, e aprofundando o caminho do protesto frente a estes absurdos, como o que ocorreu hoje na linha amarela, composto por estudantes e professores do Colégio Vicente Mariano, onde Marcos Vinicius estudava. Logo que começaram a polícia foi super agressiva com os manifestantes, como é possível ver nesse vídeo divulgado pela paginaMaré Vive:

Isso tudo ocorre no contexto em que a intervenção federal do golpista Temer completa 4 meses no Rio de Janeiro, que veio para aprofundar a repressão contra o povo pobre e negro. De lá pra cá houve aumentos no número de tiroteios e homicídios.

Não é a primeira vez que a favela da Maré sofre com ocupações do exército. Na Copa do Mundo e nas Olímpiadas houve ocupação do exército e da Força Nacional com inúmeras denúncias de abuso. Tudo isso para manter a lógica da guerra as drogas que tira inúmeras vidas inocentes todos os dias!

A juventude das favelas não aguenta mais sofrer na mão desse Estado assassino, que não garante moradia nem serviços públicos como saneamento básico de qualidade e só intervém através do seu braço repressor! A juventude quer educação, saúde, empregos dignos e direito ao lazer!

Pelo não pagamento da dívida pública e que este dinheiro seja investido em um plano de obras públicas para garantir serviços e moradia de qualidade e empregos dignos!

Pela apuração desses assassinatos acompanhada por uma investigação independente composta pelos moradores da Maré, representantes dos Direitos Humanos sindicatos e organizações da esquerda!

Basta de assassinar o povo pobre, negro e nossa juventude!

Pela legalização de todas as drogas Já!

Abaixo a intervenção federal no RJ!

Foto: G1




Tópicos relacionados

Maré    /    Intervenção Federal   /    Violência Policial   /    Negr@s   /    Política

Comentários

Comentar