Sociedade

DESCASO NO ABC

Administrações confusas deixam impasses nos serviços de coletas em Mauá

Há anos o ABC paulista enfrenta problemas com coleta de lixo. Em Mauá a situação beira a calamidade.

terça-feira 19 de dezembro de 2017| Edição do dia

Hoje e há anos nas cidades da região do ABC, enfrenta-se problemas com recolhimentos e os devidos destinos que deveriam ter com resíduos sólidos e em Mauá agravou-se de vez.

A população sofre com intermináveis episódios de descaso, como o acúmulo de lixo em vias públicas, exalando mal cheiro e proliferando baratas e ratos, causando doenças. Provavelmente isso pode se agravar e povo sofrerá muito mais com períodos de chuvas fortes se aproximando, afinal a coleta de lixo pode ser interrompida a qualquer momento e os bueiros e galerias que já não são limpos, ficarão entupidos, agravando ainda mais os problemas de alagamentos que a cidade sempre sofre e nunca é resolvido pelos seus prefeitos e secretários incompetentes.

Lara Central de Tratamento de Resíduos Sólidos, que presta serviços para a cidade, e a Prefeitura não entram num acordo definitivo que atenda o povo mauaense com dignidade e profissionalismo. Isso ocorre porque principalmente quando o ex-prefeito pelo PT, Donisete Braga, antes do término de sua gestão assinou um acordo para renegociação da dívida, que atinge R$43,1 milhões, 4 parcelas de R$472,9 mil e mais 10 de R$733 mil para quitação de uma primeira parte da dívida, os valores da segunda parte que serão parceladas ao longo de 5 anos, são os que comprometem o cumprimento de contrato de prestação de serviços com a Lara.

Segundo declarações de Donisete, que troca insultos com Atila, os débitos se arrastavam desde gestões anteriores, como do "coronel" Leonel Damo, sem partido, mas sempre atrelado aos partidos como o PMDB e PV, que sua filha Vanessa Damo, foi eleita deputada estadual e foi acusada de infidelidade partidária, hoje a ex deputada é integrante do PMDB, Leonel sempre ligado á empresários desde os primórdios, o ex prefeito Osvaldo Dias PT, que não teve forças, nem competência o suficiente para administrar tal problema.

Porém estas declarações de políticos que empurram suas más administrações, o mal gerenciamento, as escolhas de secretários sem o conhecimento de suas pastas, as verbas que sempre são desviadas e que pouco, ou nunca a população usufrui do retorno de inúmeras taxas, impostos altos, que o trabalhador paga com resultado de seu suor, vindos de horas mal pagas por patrões que arrocham os salários e direitos, em conjunto com empresários políticos golpistas, conservadores e reformistas.

Antes de ser eleito, Atila Jacomussi já tinha conhecimento desse acordo e terá arcar com as 60 parcelas que deverão ser quitadas até 2021, e os juros aumentam a dívida dificultando os pagamentos e a relação com a terceirizada Lara. Wagner Damo, dono da empresa e sobrinho de Leonel Damo, que tem relações estreitas com Admir Jacomussi, ex vereador por 7 mandatos, pai de Atila hoje prefeito e que durante período longo, a família Jacomussi "dominou"o comando da SAMA, empresa de Saneamento Básico de Mauá. Lara que ameaça suspender os serviços se não forem pagos os débitos, mas João Gaspar PCdoB e secretário de governo, conseguiu negociar com Wagner Damo o não suspendimento de seus serviços.

Dados do Portal de Transparência confirmam esses números que a prefeitura divulga para os vereadores, exaltando a necessidade de se criar mais taxas á população, mas quem são os verdadeiros responsáveis por esta dívida? São eles, os políticos antecessores que não fizeram o correto, o atual e sem esquecer da Lara, que se não estava recebendo pelos maus serviços prestados, com a desculpa que não recebia corretamente da prefeitura há anos e como sobrevive uma empresa dessas? Sobrecarregando seus funcionários e não prestando bons serviços, deixando a cidade suja, com a população á míngua e expostas ao mal cheiro, á sujeira, ao risco de doenças, já que a Saúde também esta abandonada.

Assim as crises de gerenciamentos e administrações fazem parte das prefeituras do ABC, acusações com e/ou sem fundamentos dos atuais prefeitos contra os antecessores e vice versa é a estratégia utilizada e que dizem serem sempre as "vitimas" das administrações anteriores, porém com muitas ressalvas. Afinal temos exemplos claros como em Santo André, pontes na Avenida Dos Estados em trechos importantes para os deslocamentos dos trabalhadores, veículos de socorros, abastecimentos e transporte públicos necessitam destas pontes; na administração de Carlos Grana PT, teve como secretário de obras o atual prefeito Paulinho Serra PSDB e que hoje tem como secretário de saúde, o ex prefeito de Mauá, Marcio Chaves, que há um mês atrás era secretário de saúde em Mauá e administrada por Atila Jacomussi do PSB. Soa estranho essas trocas e co-ligações, onde estas mesmas siglas e alguns políticos trocam farpas publicamente, mas sempre em jantares, almoços e encontros, reúnem-se e fazem de tudo contra nós trabalhadores, se pensarmos e discutirmos profundamente os assuntos políticos das cidades da região, esta compreensão se fará por si mesma na dança de cadeiras nas secretarias, trocas de partidos e de cidades, somente discutindo essas dúvidas entre os trabalhadores, munícipes elas serão combatidas.




Tópicos relacionados

crise econômica   /    Sociedade   /    São Paulo

Comentários

Comentar