Política

DELAÇÃO PREMIADA

Acusado de corrupção, ex-presidente do TCE-RJ ganhará salário vitalício de R$ 30 mil

Jonas Lopes passou de delatado a delator, e com isso será premiado com aposentadoria integral de mais de R$30 mil

sexta-feira 29 de setembro| Edição do dia

O caso do ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, Jonas Lopes, é mais um para a lista dos absurdos produzidos em nome da justiça. Ele, que era o presidente do órgão responsável por supervisionar os gastos do estado, apareceu na lista de delação de um dos executivos da Odebrecht na operação “Quinto do Ouro”, por pedir propinas no valor de R$4 milhões para liberação de obras do Maracanã e do Metrô.

E essa foi apenas uma das acusações contra ele e o filho, que também foram acusados de receber mais de R$50 mil por mês de propina para liberação de obras, de esconder mais de R$8 milhões de dinheiro sujo em contas no exterior, entre muitas outras coisas. Os dois foram então acusados pelo Ministério Público Federal por corrupção passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e associação criminosa. Tudo estava encaminhado para serem condenados, mas é aí que a história vira.

Qual foi a solução encontrada pelos dois? Já que está na moda ser delator, eles fizeram a própria delação, incriminando cinco conselheiros do TCE, e conseguindo com isso um acordo de impunidade, podendo continuar com todos os bens adquiridos ilegalmente. E como se fosse pouco, no acordo ainda ficou estipulado que Jonas Lopes vai se aposentar, recebendo por mês a bolada de R$30.471,00 de salário vitalício!

Delatados se tornam delatores, num ciclo interminável de impunidade, onde quem perde somos nós trabalhadores, que financiamos todo esse jogo de poder. Por isso dizemos: expropriação imediata das fortunas dos corruptos, estatização das empresas sob controle dos trabalhadores, e júri popular para todos os crimes para acabar com a quadrilha do judiciário que enriquece fingindo fazer justiça!




Tópicos relacionados

Rio de Janeiro   /    Poder Judiciário   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar