Sociedade

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO

Acidentes de trabalho e precarização marcam rotina de garis em Florianópolis

sábado 4 de março de 2017| Edição do dia

Recentemente foi divulgado pela COMCAP (Companhia de Melhoramentos da Capital) que no ano de 2016 aconteceram 242 acidentes de trabalho resultando em 1.837 dias de afastamento no total.

Os garis de Florianópolis, principalmente no início do ano, precisam se sacrificar para manter a cidade limpa com a chegada dos turistas, deixando um cenário que não corresponde com o cotidiano dos trabalhadores.

Foram cerca de 20 acidentes por mês, causados por excesso de peso, quedas durante o trajeto do caminhão - trânsito, choque contra equipamento, prensamento na oficina mecânica e outros que a empresa não especificou.

Recentemente, os servidores públicos da capital catarinense protagonizaram uma greve histórica que durou 38 dias contra o pacote do prefeito Gean Loureiro, como esclarecemos no balanço da greve (link: http://esquerdadiario.com.br/Enfrentar-os-ajustes-que-virao-com-as-licoes-da-greve-de-Florianopolis), o SINTRASEM deveria ter dado mais importância à este setor de trabalhadores, que é o mais precarizado do serviço público, e debatido a necessidade de parar não só contra Gean, mas por melhores condições de trabalho, que hoje colocam a vida dos garis em risco cotidianamente.




Tópicos relacionados

Sociedade   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar