Política

AMAZONAS

Ação da PM em reintegração de posse deixa cerca de mil famílias sem suas casas em Manaus (AM)

Às 8h da manhã desta segunda feira a tropa de choque entrou na rua “Apocalipise” e, com sprays de pimenta, partiu para cima de inúmeros moradores que entoavam canções evangélicas e sem nenhuma resistência.

terça-feira 3 de março| Edição do dia

Foto: Edmar Barros/Folhapress

A ação truculenta da PM foi para desocupar e fazer a reintegração de posse da ocupação Monte Horebe, onde moram vivem centenas de famílias trabalhadoras pobres e inclusive imigrantes venezuelanos e haitianos. A ação contou com cerca de mil agentes da polícia, de capacetes e capuz no rosto, e ainda deve durar pelos próximos dias. Logo após o ataque com sprays, uma escavadeira começou a destruir as casas com a tutela da polícia. Ao menos uma das casas não estava desocupada.

A ocupação da região começou há pelo menos 5 anos atrás, e se transformou em uma comunidade com um emaranhado de ruas e vielas com casas precárias que se estende por alguns quilômetros.

Minutos antes da PM invadir a moradia dessas famílias, o defensor público, Rafael Barbosa, apareceu atrás de uma fila de policiais encapuzados com seus escudos da tropa de choque e com um colete a prova de balas cinicamente dizendo ao microfone: “eu represento vocês”. Rafael Barbosa quis “negociar” ameaçando dizendo que os moradores deveriam entregar suas casas, e se não aceitassem ele “não teria mais como segurar a ação”.

Também anunciou que as casas que não estivessem ocupadas seriam destruídas e que a energia elétrica da região seria cortada. Os moradores revoltados com a ameaça começaram a exigir a presença da imprensa. A PM construiu bloqueios durante a madrugada, impedindo a aproximação de qualquer imprensa e alegando que seria por causa de “segurança”. A única imprensa que conseguiu chegar no local com bastante dificuldade foi a Folha de São Paulo.

Alguns moradores denunciavam o fato do governo não ter dado assistência alguma as familias que perderam suas casas e tudo o que tinham em um incêndio que destruiu centenas de moradias no bairro Educandos, no final de 2018.

Representantes do governo de Manaus justifica a ação dizendo que Monte Horebe e reduto do narcotráfico, causando ainda mais revolta em todas as famílias trabalhadoras que estão sendo expulsas de seus lares pela reintegração.

O governo anunciou que irá pagar um auxílio aluguel de 600 reais por mês para as famílias, fato que não foi citado pelo defensor público durante a “negociação”. Além disso, o governo não sabe nem dizer o número de famílias que até então se abrigavam no local e ficarão sem moradia.

Sob o argumento de "combate ao narcotráfico", famílias estão sendo retiradas de suas casas. Nós do Esquerda Diário repudiamos fortemente essa investida contra o direito de moradia das famílias e exigimos nenhuma família na rua.




Tópicos relacionados

Moradia   /    violência policial   /    Política

Comentários

Comentar