ABSURDO

Juíza ameaça prender diretor da Faculdade de Direito UFF caso faixa não seja retirada

A juíza Maria Aparecida da Costa Bastos, da 199ª Zona Eleitoral (Niterói) do TRE-RJ deu prazo de até meia noite do dia 25.

sexta-feira 26 de outubro| Edição do dia

Foto: Após ação do TRE na faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF), alunos colocaram faixas pretas no lugar da bandeira "Direito UFF antifascista" Arquivo pessoal de Lucas Altino/O Globo

Mais um absurdo é cometido pela justiça eleitoral. Nesta semana, muitas faculdades e sindicatos foram atacados pela justiça eleitoral. Uma delas foi a faculdade de direito da UFF, que teve uma faixa escrito DIREITO UFF ANTIFASCISTA retirada pelo TRE. Após isso, os estudantes recolocaram a faixa. Na noite de quinta, a juíza Maria Aparecida da Costa Bastos, da 199ª Zona Eleitoral (Niterói) do TRE-RJ determinou a retirada e disse que caso não seja cumprida o diretor da instituição pode ser preso e responder criminalmente.

Isso se trata de um ataque a liberdade de expressão dos estudantes e a autonomia universitária em uma clara arbitrariedade da justiça para fortalecer Bolsonaro. Nós do MRT e do Esquerda Diário repudiamos fortemente essa medida autoritária do judiciário.
Desde o início das eleições, viemos denunciando todas as manobras do judiciário para manipular essas eleições. Começando pela Lava-Jato e a prisão de Lula e a prescrição de sua candidatura, que impediu o voto de milhões de pessoas e agora chegam aos sindicatos e às universidades, atacando a liberdade de expressão e organização dos trabalhadores, professores e estudantes!
É urgente a necessidade da UNE impulsionar uma mobilização massiva contra Bolsonaro, o golpismo e a extrema-direita através da construção de comitês por todas as universidades e locais de estudo pelo país!

Veja Mais: Judiciário censura sindicatos e universidades: por uma campanha nacional contra os ataques




Tópicos relacionados

Comitês contra Bolsonaro   /    Extrema-direita   /    Bolsonaro   /    "Partido Judiciário"   /    Poder Judiciário   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar