Política

GUERRA COMERCIAL

A trégua acabou: China desvaloriza própria moeda e os EUA a acusam perante o FMI

Logo após a desvalorização do yuan, o Tesouro dos EUA disse que "a China manipula sua moeda". O confronto entre a China e os Estados Unidos se intensifica.

quarta-feira 7 de agosto| Edição do dia

Nesta segunda-feira, a China promoveu uma desvalorização de sua moeda que gerou reações em todos os mercados cambiais e de valores.

Em todo o mundo, o dólar mostrou um vertiginoso aumento com a desvalorização de 1,2% da moeda chinesa (yuan), chegando a valer 7,0256 yuans, logo após o Banco Popular chinês estabelecer sua taxa de câmbio de referência no nível mais baixo desde dezembro. As ações dos EUA tiveram a maior queda até agora neste ano.

Após a desvalorização do yuan, as bolsas caíram. A Bolsa de Xangai contraiu 1,62% no fechamento da sessão, a Bolsa de Valores de Tóquio encerrou a primeira sessão da semana com uma queda de 1,74%. O Nikkei 225 deu 366,87 pontos. Os mercados de ações europeus começaram a semana com quedas. O Ibex 35 abriu a sessão com uma queda de 0,88% sobre os 8.800 pontos. No resto das bolsas europeias, as quedas ultrapassaram o 1%.

Wall Street teve seu pior dia do ano nesta segunda-feira, com quedas superiores a 3%. Da mesma forma, a taxa de juros dos títulos do Tesouro dos EUA a 10 anos caiu para o nível mais baixo desde novembro de 2016.

Na semana passada, o Federal Reserve (Fed) havia cortado apenas 0,25 ponto percentual da taxa de juros. Mas, ao não inscrever essa redução em um plano de continuidade, gerou reações adversas nos mercados de valores e de câmbio e acabou dando razão às críticas de Donald Trump.

Não contente com a mensagem de Powell do Fed, Trump anunciou mais tarifas contra a China por outros US $ 300 bilhões, quebrando a curtíssima trégua iniciada dias atrás. Isso significa que as tarifas cobrirão quase todo o comércio de mercadorias entre a China e os Estados Unidos. A reação dos “mercados” foi igualmente negativa e a resposta de Pequim não demorou a chegar.

¹Principal índice econômico da Bolsa de Valores de Tóquio.
²Principal índice de referência da Bolsa espanhola
³Banco Central dos EUA.
4.A Bloomberg L.P. é uma empresa de tecnologia e dados para o mercado financeiro e agência de notícias operacional em todo o mundo com sede em Nova York.




Tópicos relacionados

Guerra comercial EUA x China   /    Donald Trump   /    China   /    Política   /    Internacional

Comentários

Comentar