Internacional

PROTESTOS EM HONG KONG

A resistência dos estudantes universitários de Hong Kong

Os estudantes da Universidade Politécnica de Hong Kong transformaram o campus em uma fortaleza para combater a polícia em uma batalha épica que incluía arcos, flechas e lasers. Eles exigem que as demandas democráticas levantadas desde junho sejam cumpridas.

quinta-feira 21 de novembro de 2019| Edição do dia

O campus da Universidade Politécnica de Hong Kong foi o quartel-general da resistência à polícia após dias de ocupações quando, na segunda-feira passada, começou uma greve geral que durou toda a semana. Não é apenas um bastião de resistência, mas um muro de defesa para a entrada da polícia na península de Kowloon, a região mais pobre de Hong Kong e a mais densamente povoada do mundo, onde vivem cerca de dois milhões de trabalhadores.

A resistência estudantil construiu muros nos acessos, barricadas nas ruas, um grande número de coquetéis molotov, os guarda-chuvas característicos e arcos e flechas curiosos que foram combinados com os lasers para evitar câmeras de reconhecimento facial. Eles também implantaram uma enorme quantidade de paralelepípedos e barricadas erguidas com jardineiras, tábuas e móveis retirados das salas de aula. Eles prepararam os "soldados" com máscaras de gás, capacetes de construção e óculos de proteção. Os acessos são controlados por um pequeno grupo para evitar a filtragem de alguns policiais. Dentro do prédio, a organização para receber feridos e submissos está no nível das melhores táticas militares.

A polícia de Hong Kong transmitiu uma mensagem clara ao cercar a universidade: "jogue suas armas e desista, ou você receberá uma chuva de gás lacrimogêneo e balas de borracha". Evidentemente, desistir nunca fez parte da discussão.
A batalha foi uma inflexão para o movimento de protesto que já dura cinco meses. As tensões aumentaram nas últimas semanas, onde a repressão se aprofundou na proporção da radicalização do movimento. Durante os dois dias de combates prolongados, 38 pessoas ficaram feridas.

As ruas de Hong Kong vivem uma mobilização permanente que atingiu o pico mais alto da combatividade neste fim de semana. Agora, a luta deixou de ser uma "guerra de guerrilha" para uma "guerra de trincheiras"; de brigas de rua a posições de defesa em universidades completas e enormes barricadas que bloqueiam as redes de rodovias da ilha.

Além da Universidade Politécnica, também na terça-feira 12, foram registrados combates na Universidade Chinesa de Hong Kong (CUHK). Houve uma batalha campal com cenas mais típicas de assalto a uma cidade fortificada da Idade Média. Os caminhões com jato d’água e os esquadrões da polícia receberam uma chuva de bombas Molotov e flechas incendiárias.

Durante a semana, diante das ameaças do chefe de polícia John Lee, estudantes e ativistas de cerca de 10 universidades da ilha entrincheiraram-se. Lá eles organizam a cozinha, descansam em colchões na academia e constroem escudos, lanças e catapultas caseiras.

A greve geral que começou na segunda-feira, se prolongou vários dias e paralisou inúmeras estações de metrô, algumas rodovias foram total ou parcialmente fechadas pela destruição, houve protestos em vários pontos que terminaram com repressão; as escolas suspendiam as aulas e muitas lojas e escritórios funcionavam com pouco pessoal, dadas as dificuldades que as pessoas tinham para viajar.

Recessão econômica e revoltas

Hong Kong, nas mãos da China continental desde 1997, está entrando em recessão pela primeira vez em 10 anos.
Os cinco meses de protestos no meio da guerra comercial entre a China e os Estados Unidos afetaram a economia da ilha. No domingo, as autoridades locais confirmaram que o território entrou oficialmente em recessão econômica pela primeira vez em uma década depois que o crescimento se contraiu pelo segundo trimestre consecutivo (3,2% em relação ao anterior).

Enquanto isso, o presidente chinês Xi Jinping não para de exigir que o governo de Hong Kong restaure a ordem. Parece estar perdendo a paciência. Durante o domingo, as tropas do Exército de Libertação Popular (comandadas do continente) fizeram base na ilha. No momento eles estão limpando os destroços dos combates. Mas, dada a situação, eles questionam a autonomia da ilha e aguardam a oportunidade de concluir seus objetivos de integrar o centro financeiro e o porto mais importantes da região de uma vez por todas. Embora pareça improvável que a China use uma repressão no estilo do massacre de Tiananmen em 1989. A comunidade empresarial internacional consideraria uma intervenção militar o fim de "um país, dois sistemas", o que poderia levar a um êxodo de negócios.

Sem uma liderança política revolucionária, seu programa ainda não conseguiu superar as demandas por liberdade de expressão, eleições democráticas e que a China continental respeite a autonomia de Hong Kong. Mas os estudantes de Hong Kong, com seus sistemas de combate urbano e enorme determinação, são uma inspiração para os movimentos de protesto que atravessam o mundo.

Depois do cerco da polícia à universidade cerca de 1000 pessoas foram detidas à medida que deixavam o campus, segundo informação de um oficial do alto escalão. Até o presente momento cerca de 100 manifestantes permanecem no campus da Universidade Politécnica cercados por barricadas e pelo batalhão de choque. Diante da brutal repressão, ontem, alguns manifestantes tentaram fugir pelo esgoto, mas foram impedidos pelos bombeiros que fecharam o acesso ao sistema. Seguiremos acompanhando os desdobramentos dessa ocupação e das manifestações em Hong Kong.




Tópicos relacionados

Hong Kong   /    Internacional

Comentários

Comentar