Internacional

A posição da esquerda argentina frente ao triunfo de Trump

quarta-feira 9 de novembro| Edição do dia

Frente ao resultado das eleições nos Estados Unidos, Nicolás del Caño, ex-candidato a presidente pela Frente de Esquerda, declarou que “a continuidade das políticas neoliberais pelos democratas deixou nesta eleição um paradoxo de que o desgaste contra o establishment finalmente alcançou um multimilionário reacionário, misógino e racista como Donald Trump. Esse desgaste havia se expressado pela esquerda na candidatura de Sanders na interna democrata. Nada bom pode ser esperado de Trump pelos trabalhadores, pelas mulheres e imigrantes”.

Já Myriam Bregman, deputada nacional pelo PTS-FIT, pontuou que “nos Estados Unidos se demonstra o fracasso de todo projeto centroesquerdista que não se propõe a enfrentar o capital, já que termina abrindo espaço para essas variantes direitistas, porque há crise mundial e, se não a paga os capitalistas, a pagam os trabalhadores, e são esses trabalhadores brancos dos EUA castigados pela crises os que terminaram votando massivamente no reacionário Trump. Também é justo colocar que nada bom podiam esperar os trabalhadores de nenhum dos candidatos, quando Hillary Clinton era a expressão do establishment político e econômico e Trump um demagogo que a única coisa que tem para oferecer são políticas reacionárias, que não farão mais do que agravar as condições de vida de camadas inteiras da população que já vivem no desemprego e na precarização”.

Finalmente, Christian Castillo afirmou: “a vitória de um reacionário como Donald Trump só reforça a necessidade dos trabalhadores, das mulheres, dos jovens, dos explorados do mundo, de organizarem-se e sair a lutar de verdade por suas demandas em uma perspectiva anticapitalista. Se não, nada impedirá que novos Trumps apareçam ao redor do mundo para canalizar o desgaste com suas saídas reacionárias”.




Tópicos relacionados

Donald Trump   /    Eleições Estados Unidos   /    PTS na FIT   /    Internacional

Comentários

Comentar