Internacional

ORIENTE MÉDIO

A ofensiva assassina de Israel mata mais quatro palestinos durante protesto

Jones Adriano Gaio

Professor da rede estadual do RS

sexta-feira 20 de abril| Edição do dia

IMAGEM: Tribuna Hoje

Durante um protesto pacífico chamado “a grande marcha de retorno” contra a ocupação militar Israelense na Palestina, quatro pessoas foram assassinados pelas tropas israelenses na faixa de Gaza nessa sexta dia 20 de abril de 2018. Os serviços médicos atenderam 445 pessoas, 96 delas por ferimento a bala e as demais por balas revestidas de borracha, quedas ou intoxicação por inalação de gás lacrimogêneo.

Os dois mortos que foram identificados são Ahmad Rasahd, de 24 anos, e Nabil Abu Aqel, de 25, este último atingido por um disparo na cabeça, segundo comunicou o porta-voz do Ministério de Saúde em Gaza, Ashraf al Qedra, que apontou que o jovem sofria de incapacidade.

Outro membro do resgate foi ferido na cabeça e está em estado grave, um jornalista que estava com colete a prova de balas, além de pelo menos 40 pessoas foram atendidas por inalação de gás nos serviços de emergência. Observem que a contenção do protesto, por parte das forças israelenses é com tiros de fuzil na cabeça de civis desarmados.

A ocupação criminosa de Israel na Palestina é um atentado grave aos direitos humanos e aos direitos do povo palestino que sofre com a opressão israelense desde 1948, quando foi criado o estado de Israel com apoio de EUA e Inglaterra, ocasião em que os palestinos foram expulsos através da força militar de suas terras e empurrados para a faixa de areia inóspita no deserto. A faixa de Gaza.
O que ocorre é um verdadeiro genocídio sistemático do povo palestino com o aval da ONU e vista grossa por parte da comunidade internacional. Israel é o braço armado dos EUA no oriente médio para exercer o controle e o domínio da região. O verdadeiro sentido da ocupação israelense é a apropriação do petróleo no oriente médio pelas petrolíferas norte-americanas.

Em uma nota dissimulada, o governo israelense afirma que o exército “não vai permitir nenhum dano à infraestrutura de segurança que protege os civis israelenses e agirá contra os arruaceiros violentos e os terroristas que o tentarem”.
É nítido para qualquer um que avalie de forma justa a situação na palestina, que o verdadeiro “agente terrorista” é o estado de Israel que está matando o povo palestino deliberadamente todos os dias durante anos. A perversidade dos soldados israelenses salta aos olhos quando, por ordem de seu governo, não permitem que os feridos sejam socorridos pelas equipes de salvamento, como pode-se observar no vídeo abaixo.

Os palestinos resistem. E lutam bravamente pela sua libertação diante de um poder opressor e assassino chamado “estado sionista de Israel” e seu exército de mercenários assassinos.




Tópicos relacionados

Imperialismo   /    Estado de Israel   /    Conflito Palestina-Israel   /    Israel   /    Internacional

Comentários

Comentar