Negr@s

RACISMO

A morte de jovens periféricos Como as instituições de segurança afirmam o racismo institucional

quinta-feira 10 de novembro| Edição do dia

O desaparecimento de cinco jovens da Zona Leste de São Paulo, no dia 21 de outubro, e posteriormente, a descoberta dos corpos no domingo, dia 6, em Mogi das Cruzes, gerou a suspeita de envolvimento de PMs na morte dos garotos. Isso se deve ao fato de que uma das vítimas, Jonathan Moreira Ferreira, relata ter levado um “esculacho” e “enquadro” da PM, além de pesquisas realizadas por policiais, buscando os antecedentes de alguns desses jovens.

O Secretário de Segurança Pública do governo Alckmin, Mágino Alves Barbosa filho, declarou que a suspeita em relação ao envolvimento dos policiais é preconceito contra a corporação. Para ele, a desconfiança se deve às chacinas que ocorreram no ano passado, que tiveram a participação da polícia militar. Apesar dos primeiros investigados serem policiais, o Secretário diz que é prematuro acusá-los.

Num país onde a morte de negros e pobres pela mão da polícia supera de longe o de brancos da classe média, é notório o racismo institucional. O fato de quatro dos cinco mortos terem passagem assegura a criminalização dos periféricos. Números e pesquisas (por exemplo, no Rio de Janeiro, 644 pessoas mortas em confrontos com a polícia no estado em 2015, 497 (77,2%) eram negras ou pardas) evidenciam como a instituição não pode ser isenta de culpa, e que existem motivos para desconfiança.

Existem "mecanismos de produção da desigualdade racial" dentro das instituições de segurança pública. Há uma distorção nas formas de agir em relação a determinados grupos étnicos. O racismo institucional é uma forma de desenho da política pública que produz resultados diferentes para diferentes camadas sociais, do ponto de vista das características raciais.

A Polícia Militar não está a serviço de proteger, mas sim de defender os interesses da classe dominante que é racista, reafirmando a máxima de que jovens negros e periféricos são criminosos em potencial, tendo maior tendência a vigiar e perseguir pessoas com esse perfil. Há uma conivência das agências de segurança ao não investigar possíveis excessos de força vinda dos policiais, auxiliando no crescimento da criminalização de minorias.




Tópicos relacionados

Questão Negra   /    Racismo   /    Violência Policial   /    Negr@s

Comentários

Comentar