Cultura

ARTE E LUTA

A luta de classes nas obras de arte

A imagem de uma criança faminta ou do rosto sofrido de uma mãe trabalhadora pode , dentro das variadas resoluções estéticas , gerar as mais contraditórias reações sentimentais : pena, horror e até aquela indignação relâmpago que passa sem maiores consequências pelo céu da consciência.

Afonso Machado

Campinas

terça-feira 2 de agosto de 2016| Edição do dia

Se é fato que um espectador montado na grana ou relativamente bem de vida, pode fechar o vidro do automóvel tanto para uma obra de arte que exprime a miséria quanto para um individuo miserável de carne e osso, a classe trabalhadora possui pela sua condição histórica elementos subjetivos que provocam outras reações. Sob o impacto de imagens que denunciam a pobreza, trabalhadores podem sentir ódio, revolta e até mesmo uma raiva surda. Estes sentimentos exprimem, conscientemente ou inconscientemente, o ódio de classe. É portanto no olhar do espectador proletário que um artista revolucionário deve concentrar suas atenções: não existe consciência de classe fora da percepção visual.

A melhor tradição da crítica marxista interessada em questões estéticas, soube valorizar o papel revolucionário da arte. Leon Trotski e Mário Pedrosa, por exemplo, sabiam que a obra de arte é uma arma nas mãos da classe operária. Enquanto que na obra Literatura e Revolução(1923), Trotski afirmou que “ a literatura revolucionária deve estar impregnada de ódio social “, Pedrosa em sua conferência As Tendências Sociais da Arte e Kathe Kollwitz(1933), diferenciou o olhar do espectador burguês do olhar do espectador proletário diante da arteque realiza a denúncia social: enquanto que o observador da classe dominante olha com impaciência, indiferença e de modo distraído, o espectador operário fica com “ os olhos faiscantes “ e os “ punhos trancados “. Seja no campo da literatura ou das artes visuais, a experiência estética é profundamente afetada pelo antagonismo de classe.

Como este rancor de classe por meio da arte se faria presente nos dias atuais? Será que a miséria, graças a dinâmica criminosa do capitalismo, integrou-se à paisagem “ natural “ das cidades? Seria o tema da pobreza nas obras de arte algo sem impacto político? Se a percepção estética é um dado crucial que contribui de modo particular(e independente) com a consciência de classe, os efeitos de uma imagem não podem ser pensados de modo determinista. Não é difícil imaginarmos uma ricaça vertendo lágrimas diante de uma pintura ou de uma fotografia que mostre uma família pobre. A atitude puramente sentimental é um pulo para caridades, orações, Papai Noel e discursos despolitizados por onde tremula uma ideia abstrata de solidariedade. Também podemos encontrar trabalhadores conservadores, que debocham ou recorrerem a um lamento de fundo religioso para aquilo que a arte social exprime. Portanto o esforço de uma arte combativa, não pode estar simplesmente solto numa exposição qualquer: as obras de arte precisam estar integradas a um conjunto de atividades culturais e políticas que são elementos constitutivos da vida dos trabalhadores. O artista, o professor, o jornalista e o sindicalista são agentes que contextualizam a arte revolucionária. Este é o pano de fundo para que as manifestações artísticas, organicamente ligadas ao proletariado, cumpram o seu papel político.

As relações entre arte e luta de classes são tão antigas quanto aqueles críticos reacionários que querem reprimir, ocultar e até desdenhar desta evidência histórica. Já no processo revolucionário francês, quando o pau comia entre jacobinos e girondinos, notamos burgueses horrorizados com as imagens pintadas por Jacques Louis David. Antes de se tornar o pintor oficial do Império Napoleônico, David era chamado pelos girondinos de “ o vidraceiro da Revolução “. Entre o século XIX e o século XX, uma série de transformações técnicas e sociais empurraram cada vez mais a arte para o campo político: de acordo com Walter Benjamin a reprodutibilidade técnica da obra de arte afasta, na era contemporânea, a criação artística da esfera do ritual religioso, revolvendo a sua função social: a arte funda-se agora na práxis política.

Certo, sabemos que as relações entre arte e política não foram(e não são) nada tranquilas no mundo contemporâneo(a zebra tenebrosa do realismo socialista é a prova disso). Mas pensando nos mais variados caminhos que a arte revolucionária pode seguir(e ao mesmo tempo sabendo que arte revolucionária não é apenas aquela que tematiza os problemas sociais), nota-se que o fator da luta de classes e da miséria gerada pelo capitalismo ainda cutucam a consciência de muitos artistas. Hostilidade existe, é claro: setores conservadores da classe média brasileira, não suportam olhar para as imagens que retratam/definem o seu próprio país. Só que não serão narizes torcidos que afastarão os artistas progressistas de suas responsabilidades políticas.




Tópicos relacionados

Cultura

Comentários

Comentar