Juventude

VÍDEO OCUPAÇÃO UNICAMP

A greve mais bonita da cidade

Cássia Silva

estudante de Ciências Sociais na Unicamp e militante da Faísca

sexta-feira 8 de julho de 2016| Edição do dia

Nessa quinta, 7 de Julho de 2016, o prédio da reitoria, que foi ocupado por dois meses, foi entregue. A greve segue contra as punições aos que lutam, como votado em Assembleia Geral dos Estudantes da Unicamp na terça-feira. O prédio foi organizado para ser entregue como encontrado e não sobrecarregar os trabalhadores do serviço terceirizado de limpeza.

“Educação não é tão simples quanto pensa”

A greve mais bonita da cidade

A ocupação da reitoria da UNICAMP de 2016 entra para a história como parte da maior greve da universidade. O vídeo acima é um dos hits compostos pelos ocupantes da reitoria e expressa os nossos objetivos de conquistas, mas também demonstra a disposição para para salvar a educação, é por cotas raciais e permanência estudantil, para que a juventude de Campinas e do estado de São Paulo faça parte da Unicamp.

Então, a luta ainda não acabou. Porque, numa universidade pública em que cerca de 35% da população está fora dela e não tem o mínimo de acesso, o combate é diário e constante, tanto para os que conseguiram furar a linha do impedimento social, quanto para os que lutam para isso e também para os que nem sabem o que é a Unicamp.

A Unicamp não é somente um hospital de qualidade, de referência para a população. Nela se produz arte, ideologia, tecnologia, e todos devem ter acesso à ela. Quando a luta é pela educação, quer dizer que a é contra qualquer tipo de precarização desse espaço tão rico. E é aí que as pautas de acesso radicalizado, por cotas raciais, e contra o corte de 40 milhões se conectam. A batalha contra a burocracia da universidade e o Alckmin Mãos-de-Tesoura é por educação pública e de qualidade, para que as produções sejam de acesso à população, para que os campineiros e paulistas frequentem e estudem na Unicamp.

Por isso, a resistência é para entrar, permanecer e derrubar os muros da Unicamp e salvá-la das mãos de quem a quer para satisfazer seus próprios interesses. Foram dois meses de ocupação dentro de uma greve gigante e a resistência vai ser dura enquanto os direitos não forem garantidos e as pautas, atendidas.




Tópicos relacionados

Greve das estaduais paulistas   /    #OCUPATUDO   /    Unicamp   /    Campinas   /    Juventude

Comentários

Comentar