Gênero e sexualidade

29 DE SETEMBRO

A golpista Marina Silva irá ao ato neste sábado fazer demagogia com a luta das mulheres

Como parte de sua agenda de campanha, a golpista Marina Silva e defensora das reformas de Temer que atacam as mulheres, confirma sua presença no ato neste dia 29 em São Paulo.

sábado 29 de setembro| Edição do dia

No site de campanha de Marina Silva, o ato de mulheres contra Bolsonaro neste sábado, em São Paulo, é parte de sua agenda oficial de campanha, onde fará demagogia com a luta das mulheres, enquanto defende os golpistas e capitalistas que querem arrancar suor e sangue de milhões de mulheres trabalhadoras, negras e pobres.

Um dia após a data que marca a luta latino-americana e caribenha pelo direito ao aborto, Marina Silva, financiada pelo Itaú, se apresentará como suposta porta-voz das mulheres sendo uma representante política da burguesia racista e machista que se coloca abertamente contrária à legalização do aborto, defendendo assim que milhares de mulheres sigam morrendo todos os anos.

Sua presença é parte da busca do PT, com Haddad e Manuela D’Ávila, por transformar o ódio das mulheres contra a extrema direita de Bolsonaro em um palanque eleitoral, que expresse sua política entreguista de conciliação com os golpistas e capitalistas.

Segundo Maíra Machado, candidata a deputada estadual do MRT e militante do grupo de mulheres Pão e Rosas: “Rechaçamos que essa inimiga das mulheres faça demagogia com nossa luta. Nosso combate à extrema direita não se dará abrindo espaço àquelas que defenderam o golpe institucional contra os trabalhadores, as mulheres, os negros e LGBTs. As mulheres precisam se aliar à classe trabalhadora contra Bolsonaro, os golpistas e a conciliação do PT. Por isso, nós do Pão e Rosas construiremos um bloco independente, com as mulheres à frente para que sejam os capitalistas a pagarem pela crise, enfrentando todas as representantes reacionárias da burguesia e também o mal menor que entrega nossa luta”.




Tópicos relacionados

Mulheres   /    Golpe institucional   /    Marina Silva   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar