Sociedade

ALAGAMENTO

"A água escorre pra lá mesmo" diz Covas sobre enchente na Zona Leste de São Paulo

Enquanto não mede esforços para atacar a aposentadoria e o direito de greve dos servidores municipais, o Prefeito Bruno Covas despreza a tragédia vivida por centenas de famílias afetadas pela enchente na Vila Itaim: "A Prefeitura está lá tentando fazer a ação o mais rápido possível, mas é uma questão de física, que a água escorre para lá mesmo". Covas e Doria são responsáveis!

quinta-feira 14 de fevereiro| Edição do dia

Enquanto dedica todos os seus esforços para atacar a aposentadoria e o direito de greve dos servidores municipais, além de reprimir brutalmente o movimento legítimo desses trabalhadores, o atual prefeito Bruno Covas (PSDB) diz que o problema do alagamento na Vila Itaim (extremo leste da cidade) é "uma questão de física, a água escorre para lá mesmo", fazendo piada com a tragédia que centenas de famílias estão vivendo e buscando naturalizar essa negligência governamental, desviando a responsabilidade das autoridades, que são as verdadeiras responsáveis pela não realização de obras públicas para contornar esses problemas estruturais que a cidade vive há décadas, assim como fez no caso da ponte que caiu na zona oeste da cidade no final do ano passado e que mostrou uma crise municipal em torno da fiscalização e manutenção do equipamento público.

Não é de hoje que a população que vive nas periferias sofre com enchentes e alagamentos, especialmente quando o verão chega com chuvas intensas. Ano após ano, milhares de famílias são prejudicadas com essa tragédia anunciada pelo descaso dos governos que não investem em obras públicas para solucionar esses problemas estruturais, às vezes até mesmo causando vítimas fatais, mas como mínimo com pessoas perdendo todos os móveis de suas casas, eletrodomésticos e pertences, além de todo o transtorno de terem suas casas invadidas por água suja, que pode trazer problemas de saúde, seja física e psicológica, e que afetam cruelmente suas vidas. Mais uma vez os moradores da Vila Itaim enfrentam esse problema de inundação.

Na última terça-feira (12/02) as chuvas elevaram o nível de água na região que já está nessa situação há mais de uma semana, o cenário é grave e moradores denunciam que não há perspectiva de solução por parte dos governos estadual e municipal que se esquivam das responsabilidades, divergindo sobre a quem cabe o problema, enquanto isso a população segue vulnerável no meio da água suja parada e de lixo acumulado. Buscando tratar desse assunto, a Comissão de Moradores do Jardim Romano informa a realização de uma reunião às 10h dessa sexta-feira (15/02) na Rua Alfredo de Melo, 47, a entidade cobra resoluções para os problemas dos alagamentos. Na quinta-feira passada (07/02), a Prefeitura Regional São Miguel Paulista informou que realizou um bombeamento de água para limpar uma das ruas mais afetadas na Vila Itaim, onde até uma creche foi atingida pelo alagamento, mas de longe não reverteu o problema dos moradores do bairro.

O Estado só aparece quando é para reprimir com a sua polícia quando os moradores se revoltam com a situação que estão vivendo e protestam, de resto, sobram apenas esses comentários que na verdade evidenciam não só o descaso mas o profundo desrespeito destes políticos com as condições de vida da população. Defendemos e exigimos um plano emergencial junto aos sindicatos, associações de bairro e aos moradores para dar suporte e assistência a todos os atingidos por essa tragédia que não tem nada de “natural”, bem como um plano de obras públicas que consiga de fato contornar essas inundações.




Tópicos relacionados

Bruno Covas   /    Plano de obras públicas   /    Enchentes   /    João Doria   /    Sociedade   /    São Paulo (capital)

Comentários

Comentar