Teoria

A URSS caiu: que lições estratégicas tirar?

Gilson Dantas

Brasília

sexta-feira 20 de outubro| Edição do dia

A queda da União Soviética e suas causas foi tema de uma das mesas do Seminário Internacional “Os 100 anos que abalaram o mundo”, na USP, outubro 2017.

Alguns professores focaram os múltiplos fatores que explicariam a derrocada da URSS e todos destacaram o papel nefasto do stalinismo.

Na mesa estavam Martin Hernandez, Angelo Segrillo, Robério Paulino, dentre outros.
O foco da nossa intervenção girou em torno da queda da URSS e lições para a luta pelo socialismo, isto é, que tipo de contradições se estabelecem quando a transição pós-capitalista se dá através de uma burocracia política que fala em nome das massas, mas que, na verdade, substitui a democracia proletária pela ditadura da burocracia. E também o exame sobre a tensão que se estabelece entre o conteúdo do Estado [economia estatizada] e o regime político totalitário, contrarrevolucionário como foi o stalinismo.

Nessa intervenção, de 18 minutos, procurou-se responder, dentre outras, às seguintes questões:

Ao ser comandada por uma burocracia política usurpadora do poder de massas, do protagonismo político do proletariado, que consequências pode vir a ter aquela tensão entre uma casta política [que fala em nome do comunismo e de Marx] e uma economia estatizada [o Estado operário]? Qual a grande referência teórica – em termos de autor e de sua obra específica – que nos parece explicar de forma mais definitiva e rica a decadência do Estado pós-revolucionário nas mãos daquela casta política? Que lições estratégicas para hoje se pode tirar daquela experiência nefasta que marcou o século XX? Por que burocracia política [autoproclamada comunista] e transição para o socialismo não combinam? Por que a proposta de Trotski, para a URSS stalinizada, era a da revolução política?

A grosso modo, portanto, a intervenção registrada no vídeo a seguir procurou, sinteticamente, debater o nefasto script que se interpõe entre o Estado operário e o socialismo quando a direção ilegítima da burocracia assume o comando e o desenvolvimento de uma política interna de privilégios e, externamente, a linha da coexistência pacífica e de integração progressiva ao capitalismo.




Tópicos relacionados

stalinismo   /    União Soviética   /    Teoria

Comentários

Comentar