SEMANÁRIO

A Revolução Francesa no pensamento político de Leon Trótski

Daniel Lencina

A Revolução Francesa no pensamento político de Leon Trótski

Daniel Lencina

Leon Trótski estudou as revoluções burguesas dos séculos XVII e XVIII. Mas qual seria o motivo? Era uma simples erudição ou ele estava se preparando para afiar as armas da crítica para passar à crítica das armas? As analogias históricas são válidas para qualquer situação, tempo e espaço? Qual é o sentido de comparar duas revoluções? Estas são as perguntas que tentaremos responder.

Imagem de Sabrina Rodríguez

Escrevendo na prisão

Foi na prisão, após a derrota da revolução russa de 1905, onde Trótski escreve pensando na segunda revolução. Para garantir a vitória, ele teve que apreender as revoluções burguesas. Os outros companheiros presos ao lado dele concordam em enfatizar que sua cela logo se tornou uma biblioteca onde ele lia, escrevia e até brincava, irônico, que eles não precisavam mais se esconder da polícia. Nesse contexto, escreve "Balanço e perspectivas".

Em uma de suas seções, ele reflete sobre três revoluções: 1789 e 1848 (França) e 1905 (Rússia). Ele percebe as potencialidades revolucionárias da burguesia em 1789, não apenas por se levantar contra o Antigo Regime da França, mas também contra a reação monárquica de toda a Europa. Assim, a Revolução Francesa se torna de caráter nacional, no sentido de que todo o povo participa: a pequena burguesia, os camponeses e os trabalhadores. Esse conglomerado de classe elegeu a burguesia como deputados, que deu às massas uma ideologia e orientação política.

A partir disso Trótski levantará uma crítica e, por sua vez, uma reivindicação do "jacobinismo" e diz que: "A burguesia traiu todas as tradições de sua juventude histórica, seus mercenários atuais profanam os túmulos de seus ancestrais e difamam os vestígios de seus ideais. O proletariado defende a honra do passado revolucionário da burguesia. O proletariado que, na prática, rompeu tão radicalmente com as tradições revolucionárias da burguesia, as protege como uma herança de grandes paixões, heroísmo e iniciativa e seu coração bate com simpatia pelos fatos e palavras da Convenção Jacobina ”.

Ele afirma que nos primeiros anos do século XX, a burguesia voltou a confirmar sua covardia política. Por esse motivo, ele reflete sobre a revolução de 1848, onde a burguesia se camuflou com a fraseologia revolucionária, mas não era mais nem um décimo do que era o jacobinismo. Para esse tipo de revoluções "intermediárias", como as de 1848, Alain Brossat as chamou de "não mais" revoluções burguesas e de "ainda não" revoluções proletárias.

Karl Marx disse que "a história se repete duas vezes, primeiro como tragédia e depois como farsa" para explicar a mudança de época, onde a burguesia já havia se transformado e começado a mostrar seus golpes reacionários. Se assim o era para 1848, na época imperialista, em que Trótski se encontra, o caminho percorrido pela burguesia para garantir a exploração da classe trabalhadora a todo custo, não teria retorno.

Pode interessar (em espanhol): Trotsky e a Revolução Francesa por Pierre Broué

O duplo poder

Em sua "História da Revolução Russa", ele analisa a revolução de fevereiro de 1917 e observa o ressurgimento dos sovietes (conselhos) de deputados trabalhadores, soldados e camponeses. As massas seguiam o caminho da auto-organização. Trótski retorna às experiências do duplo poder nas revoluções burguesas, tanto a da Inglaterra do século XVII quanto a da França do século XVIII. Ele ressalta que a existência de uma situação de duplo poder ocorre no marco da luta entre uma classe que está "morrendo" e outra que está "nascendo". Ele argumenta que a situação do duplo poder não dura para sempre, mas é resolvida através da guerra civil ou, em outras palavras, pela luta entre revolução e contra-revolução.

Na Revolução Francesa, ele sustenta que a burguesia fez de sua Convenção um organismo de duplo poder que lutou contra a aristocracia absolutista e que essa dualidade é formalmente resolvida com a declaração da República. Mas ele alerta que dentro dessa dualidade existe outra dentro do campo revolucionário e é expressa pela pressão exercida pelo povo sobre a burguesia para ir além de suas intenções. A esse respeito, ele diz sobre os setores plebeus que: “Parecia que as próprias fundações da sociedade, desmoronadas pela burguesia culta, se agitavam e voltavam à vida. Cabeças humanas se levantavam acima da massa sólida, mãos calosas se esticavam para cima, vozes roucas, mas corajosas, gritavam! Os distritos de Paris, bastardos da revolução, começaram a viver sua própria vida. Foram reconhecidos – era impossível não reconhecê-los! – e transformados em seções. ”. E o mesmo aconteceu com os pobres camponeses, que se rebelaram contra os direitos de propriedade privada e a legalidade burguesa. "Assim, sob a segunda nação, surgia uma terceira.". No entanto, esse duplo poder que nasceu nos subúrbios de Paris e dos camponeses pobres de toda a França será pisoteado, assim como a revolução aumenta em seus objetivos radicais e políticos, o movimento começa a declinar porque a burguesia percebe que seus novos privilégios, especialmente o sagrado "privilégio" da "propriedade privada" era intocável.

No caso da Revolução Russa, a dualidade de poderes foi resolvida com a tomada do poder pelos soviets, dos quais Trótski foi o grande organizador da insurreição. Finalmente, só podemos concordar com o "desgosto" de que Pierre Broué fala quando diz: "a leitura ou releitura das partes do trabalho de Trótski que tocam de passagem a Revolução Francesa alimenta o desgosto pela ausência de emprego específico que poderia ter sido consagrado e permite [...] medir a falta de visão dos editores da década de 1930 que não lhe confiaram, depois de ler História da Revolução Russa, um trabalho sobre ela. Página após página, uma observação brilhante ou uma dose brilhante de humor, um resumo, mostram o que foi perdido com essa lacuna.”

Conclusão

Ao encontrar em seu trabalho analogias históricas, percebemos que ele não procura “forçá-las” para que “coincidam” com o que acontece na Revolução Russa, mas as crias porque considera a si mesmo um protagonista da revolução proletária, buscando apoio da mesma maneira que Galileu fez quando "matou" Deus. Em “Lições de outubro”, Trótski conclui que: “Sem o estudo da Grande Revolução Francesa, da Revolução de 1848 e da Comuna de Paris, nunca teríamos realizado a Revolução de Outubro […] fizemos essa experiência com base nos ensinamentos das revoluções anteriores e continuando sua linha histórica ”. No "Ano I da Revolução Russa", Victor Serge diz que os bolcheviques planejavam fazer um julgamento político público contra o tsar, onde Trótski seria o acusador - como Robespierre fez contra o rei da França - dos crimes que cometeu contra a cidade, mas embora outras circunstâncias tenham mudado o destino da família real, vale a pena dizer que a única estátua de Robespierre que existe em toda Europa foi levantada por Lênin na terra dos sovietes.

A Grande Revolução Francesa marcou profundamente o pensamento do fundador do Exército Vermelho. Trótski explica que, se os sans-culottes derrotaram a monarquia, não foi apenas pelo ódio de classe, mas pela convicção política e moral de seus objetivos. Isso também é explicado em seus escritos militares, porque a burguesia imperialista não conseguia entender como em um país devastado pela Primeira Guerra Mundial, os trabalhadores e camponeses não apenas tomaram o poder, mas também construíram um exército de 5 milhões de almas e derrotaram o cerco de 14 exércitos imperialistas, emergindo vitorioso. Quando Trótski fundou o Exército Vermelho, ele explicou aos soldados que agora eles eram a vanguarda da revolução socialista mundial. Nas trincheiras, os soldados lutaram entre lama, sangue e neve, mas continuaram porque sabiam que estavam lutando para mudar a história do mundo, a convicção política e moral era tão importante quanto o rifle.

Ambas as revoluções, francesa e russa, mudaram a história do mundo e merecem ser estudadas para preparar o triunfo das revoluções do século XXI. E aqui não há nada utópico, mas utópico é pensar que no mundo nunca haverá mais revoluções. O mesmo pensamento do rei Luís XVI, até sua cabeça conhecer a lâmina da guilhotina.

Publicado originalmente em La Izquierda Diario Argentina, em 18 de julho de 2019, traduzido por Caio Silva Melo.

veja todos os artigos desta edição
CATEGORÍAS

[Revolução]   /   [Revolução Russa]   /   [História]

Daniel Lencina

Comentários