Internacional

PANDEMIA

A Índia decreta a maior quarentena do mundo

A mega população da Índia, de 1.300 bilhões de pessoas, será trancada como uma medida para derrotar o coronavírus. É o mais extremo para evitar uma catástrofe em um país com serviços de saúde precários.

quarta-feira 25 de março| Edição do dia

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, decretou a maior quarentena do mundo como uma medida para lidar com a pandemia do coronavírus. 482 pessoas infectadas foram registradas no país e 10 morreram, segundo dados oficiais. O anúncio ordena que 1,3 bilhão de pessoas fiquem em casa a partir da meia-noite de quarta-feira por três semanas (21 dias) para evitar um catástrofe na saúde pública.

Modi anunciou o decreto na televisão, dizendo que um quinto da população mundial deveria "esquecer o que significa sair". Ele acrescentou que: "A partir das 12 horas de hoje - faltando quatro horas - o país inteiro passará por um bloqueio total para salvar a Índia, e para cada indiano haverá uma proibição total de deixar suas casas". Por fim, Modi disse. "Peço que vocês fiquem onde quer que estejam neste país."

Mais tarde, ele twittou que "produtos essenciais, medicamentos etc." estariam disponíveis, embora ele não tenha explicado se está permitida sair dos lugares onde estão para comprar esses itens essenciais. "Não há absolutamente nenhuma necessidade de entrar em pânico", escreveu ele.

Até o momento, a Índia teve um número relativamente baixo de casos de corona vírus, com 469 infectados e 10 mortes, e o governo já adotou medidas rigorosas para tentar interromper a transmissão local em um país onde milhões vivem em áreas densamente povoadas com saneamento básico extremamente precário e um acesso muito limitado à ajuda médica.

Em seu discurso, Modi disse que o governo e os especialistas passaram os últimos dois meses estudando os surtos do corona vírus em outros países e concluíram que o distanciamento social forçado por meio de um bloqueio era a única solução para impedir que o corona se alastrasse por toda a Índia. Diante disso, milhares entraram em pânico e correram comprar comida.

Em quais condições se encontra a India?

Juntamente com a China, a Índia é o país mais populoso do mundo, com 300 milhões de indianos vivendo abaixo da linha da pobreza e sobrevivendo com a renda do trabalho diário. É provável que o anúncio tenha um impacto devastador em grande parte da população. Cidades como Dehli, Bangalore, Bombaim ou Calcutá têm milhões de habitantes, com grandes áreas urbanas hiper degradadas, sem acesso à água potável e onde a propagação de doenças infecciosas é comum.

Além disso, o nível de superlotação tem dimensões inimagináveis - no total, existem 377 habitantes por quilômetro quadrado, com cidades como Bombaim, com 24 mil habitantes, ou New Dehli, com 37.000 habitantes por quilômetro quadrado, respectivamente. Medidas como ficar a um metro de distância do outro, parecem um sonho em que as pessoas vivem em quartos de 8 pessoas ou andam lotadas nas ruas. Com o nível de contágio de Covid-19, não há habitat pior que a Índia.

Por outro lado, o sistema de saúde está dizimado, mal recebendo 1,28% do PIB. A Índia tem apenas oito médicos para cada 10.000 habitantes e um hospital público para cada 55.000. O serviço médico já anuncia que está sofrendo de falta de material. Atualmente, existem apenas 40.000 respiradores no país, um leito de isolamento para cada 84.000 pessoas e um médico para cada 11.600 idianos. Mais de 1,8 milhões de pessoas em todo o país estão sendo monitoradas porque demonstraram sintomas da doença, viajaram para o exterior ou foram expostas a casos confirmados. Diante dessa situação, a expansão da epidemia na mesma proporção que em outros países, causará o colapso de um sistema de saúde que já é deficiente.

Especula-se que, até o momento, baixas taxas de infecção estejam relacionadas à falta de exames. Apenas cerca de 17.000 testes foram realizados para encontrar a doença até agora. Mas especialistas alertam que a Índia é um dos países com o menor número de testes de diagnóstico já realizados: apenas 10 testes para cada milhão de pessoas. O vírus se espalhou para quase todos os estados, com o maior número de casos em Maharashtra, onde está localizada a cidade de Bombaim, e o estado sulista de Kerala. Há 41 estrangeiros entre os infectados, de acordo com o The Guardian.

Rupam Bhattacharya, membro do grupo de estudo Covid-19 da Universidade de Michigan, que está investigando especificamente o surto de coronavírus na Índia, disse: "Essa pandemia está crescendo rapidamente, e a única maneira de lidar com isso é mantendo seu ritmo, implementando medidas preventivas rápidas e rigorosas ". "Se várias pessoas são infectadas ao mesmo tempo, isso cria imensa pressão no sistema de saúde, o que pressionará ainda mais a alta população da Índia e a infraestrutura com baixos recursos, e poderá levar a um colapso eventual".

Quais outras medidas Modi tomará?

O líder indiano se gabou de seguir os passos dados pelo resto dos países contra a pandemia que já matou mais de 17.000 pessoas, com o epicentro na China, Coréia do Sul, Europa e Estados Unidos, enquanto ainda se espera o golpe nos países mais pobres.

Anunciou um pacote de emergência insuficiente de mais de 1.825 milhões de euros para o sistema de saúde. Em seu discurso, ele agradeceu aos 50 centros médicos privados por unirem seus laboratórios ao público na realização de testes de diagnóstico de vírus. A Índia também espera um milhão de novos kits de teste e espera-se que peça mais um milhão à Organização Mundial da Saúde (OMS). Mas em um país com as condições da Índia é totalmente insuficiente, onde a deficiência é estrutural.

O ministro da Economia da Índia, Nirmala Sitharaman, anunciou algumas medidas sociais para aliviar a situação, como o cancelamento de taxas bancárias, e anunciou que haverá um pacote mais abrangente. Uma medida triste, considerando a vulnerabilidade existente entre a população em que o desemprego atinge 6,5% e a maioria está no trabalho informal.

Aonde vai a India?

Resta ver que tipo de impacto o confinamento maciço pode ter sobre a economia mundial em um país que, juntamente com a China, possui a maior classe trabalhadora do mundo no momento em que os mercados financeiros estão despencando. O certo é que, já sendo uma economia em desaceleração, essa situação pode ser devastadora, pois um grande número trabalha em setores manufatureiros informais e onde milhões dependem das cadeias de suprimentos rurais para sobreviver.

Arun Kumar, professor de economia do Instituto de Ciências Sociais de Nova Délhi, disse ao New York Times: "Esta situação é pior que a guerra". "Se não pudermos fornecer elementos essenciais para os 50% inferiores da população, haverá uma revolta social".

O governo da Índia, chamado pelos governos "ocidentais" como "a maior democracia do mundo", tomou uma medida draconiana em um país que está em conflito étnico-religioso com a população muçulmana, que tem protestado contra a segregação do Estado, pois não tem direito à cidadania indiana. A medida maciça de confinamento terá impacto sobre essa população, enquanto o governo Modi fortalece seu nacionalismo indiano, estabelecendo um estado policial que, por enquanto, lhe dá a oportunidade de reprimir protestos com botas e rifles.

O New York Times diz que a situação é muito grave. A polícia "fechou agressivamente alguns supermercados, apesar das diretrizes do governo para mantê-los abertos". Além disso, "eles derrotaram jornalistas, acusando-os de violar as regras de bloqueio, apesar do fato de as diretrizes do governo permitirem explicitamente que os jornalistas trabalhem".

Shehnaz Khatun, mãe de três filhos que mora em uma pequena casa em Nova Délhi, entrou em pânico depois de ouvir o decreto de Modi. Seus comentários são aterradores: "A polícia nos baterá se tentarmos sair", disse ele. "Nós não ousamos nem sair para comprar legumes cujos preços dispararam."

"O futuro parece muito escuro", acrescentou. "Se o coronavírus não nos matar, a fome matará".




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Índia   /    Internacional

Comentários

Comentar