Cultura

LITERATURA

A Fera Gargalha

quarta-feira 26 de outubro| Edição do dia

A fera gargalha.

Aqueles que me veem feliz não imaginam o quanto eu poderia ser mais. Eu poderia se não fosse essa mania de evitar a felicidade que eu ganhei, não sei como, nem quando entrei nessa. Pelo menos agora minhas crises são tão calmaria, pois aprendi a ser amigo delas, não grito, não xingo, perco a cabeça, mas acho os meus pé, como um bebê que puxa o pé e põem ele na boca. É bom poder colocar algumas coisas na boca. Tudo bem. Tudo bem. Tudo bem e eu? E eu que tento todos os dias liberar essa alegria de não está bem, aqueles que me veem não imagino o quanto eu poderia ser feliz se não fosse esse auto-boicote. Nos boicotamos não é? E o processo continua fazendo-se riacho, nada de tempestade. Pelo amor de deus, a minha primeira adolescência já me iludiu muito com essa historia de ser forte. Hoje aqueles que me veem feliz não imagino que amanha estarei feliz e cada vez mais feliz, ate que dentro de mim aquela fera vai gargalhar.

(escute o seu sorriso todas as vezes que sentir inveja, raiva, orgulho, e coisas açucaradas que o ego lhe fala ao ouvido).

Não esperar.

Eu me li e vi que o melhor que faço é não esperar nada de vocês. É que eu tenho dessa de abrir pelo lacre, de puxar a tampa, de desensacar, abrir a boca e falar. Fazer. Entregar. E quando isso se abre, eu espero. Esperar só se pode ser feito com calma. Espero o ônibus e penso: Ele vai atrasar, vai pular horário, vai achar que estou de quatro, apaixonado. Como todas as pessoas nos ônibus, eu, todos, nós sentimos uma vontade de correr. Pois estamos atrasados para o trabalho, para o encontro, para a aula, para poder parar um pouco antes de se apaixonar. Não espero a paixão, pois ela me acontece todos os dias, nos ônibus, nos bares, nas ruas, na sua cama, na minha cabeça. Eu mando e-mail, eu mando flores, eu me declaro passando a mão em seus cabelos, eu abraço. A “não espera” é libertadora e o amor é companheiro da liberdade, mas também é um safado, o amor anda com a liberdade, se amassa com o ciúme, pisca o olho para o domínio. Meu amor eu não espero nada de você, mas como às vezes uma carta, uma flor, um abraço, um beijo, uma lista infinita das formas que de me dá água. Pois assumo que preciso de fatos. Quem ama nunca, nunca está a salvo, e um dia vamos assumir que está a salvo é um tédio.

Eu to delicado

Parecia que os planetas tinham se alinhado e tudo era tão profundo e brilhante. Eu ouvir o barulho da chuva dentro de mim, eu vi as estrelas do céu da minha boca brilhar. Brincava na rua, todas as crianças, todas corriam, eu corria, sentir o vento. Todos os dias eu penso em grandes frutas estragadas. Pássaros podem se apaixonar por coelhas. Hoje eu afirmo que a fauna e a flora estão na minha cabeça, que vivem bagunçadas, fauna e flora se confundem com aquela novela. Aqui você escuta a queda de uma grade fruta estragada. Calei com a culpa na garganta. Uma semana do lado dele. Colocava o meu cabelo atrás da orelha. Algumas pessoas cortam as assas dos pássaros para que eles não voem. De repente eu percebi, sabe quando ele aperta você em um abraço, você escuta o coração, Tum Tum Tum. Eu queria ser forte o suficiente pra carrega, eu fui arrastada. Eu me sentei. Eu beijei. De olhos aberto olhando para o teto, eu vi que nunca olhei muito tempo para o teto. Dizem que os gatos são sensíveis, que eles podem ver coisas, como o futuro. Atlas segura o mundo nas costas. Eu passei dois dias dentro do meu quarto. Quando meu avô morreu só o abraço do meu irmão me fez chorar, foi à única coisa que me fez chorar. Todas as lagrimas. Nunca vou saber como lavar aquela mancha que aparece na minha roupa quando falo sobre você. Mas você, meu irmão, você aguenta o jorro da água. Por que seus olhos também estão cheios de tristeza? Sempre achei que deveria ser forte. Eu ainda me preocupava. Eu ainda podia. Eu estava atravessando a rua. Meu irmão, eu nunca fui forte. Devagar pensei que talvez as pedras tenham memórias. Quando o gato se esfrega. Quando o gato se esfrega. Fiquei muito tempo sozinho, pelo menos me sentir só. No supermercado, um corredor gigantesco, todos os tipos de leites, desnatado, semi-desnatado, sem lactose. Meu irmão me abraçou. Meu irmão me abraçou. E eu fui fraco, o gato é um bicho frágil, a natureza é frágil e não vou dizer que a força dela está nisso, não vou tentar fazer sua cabeça pensar que ser fraco é a melhor solução, foi pra mim, mas pra você meu querido, para você, só você pode saber. Enquanto Atlas segura, você pode decidir. Desista de varias coisas, eu peço que você seja. Não se esconda. Se esquive. Dissimule. Ser. Eu queria poder me sacrificar, eu queria ser Atlas, eu queria. E hoje eu apenas sou. Quando eu corri, sentir o vento. Grito. Fui eu quem gritou.




Tópicos relacionados

Literatura   /    Cultura

Comentários

Comentar