Internacional

ELEIÇÕES NOS EUA

A Aposta de Trump na polarização

Com o tradicional grito de reeleição de "Mais quatro anos!" uma pequena audiência deu as boas-vindas a Donald Trump no início da convenção do Partido Republicano em Charlotte, Carolina do Norte.

Claudia Cinatti

Buenos Aires | @ClaudiaCinatti

sábado 29 de agosto| Edição do dia

Com o tradicional grito de reeleição de "Mais quatro anos!" uma pequena audiência deu as boas-vindas a Donald Trump no início da convenção do Partido Republicano em Charlotte, Carolina do Norte. O evento concorreu - e talvez tenha perdido - pela audiência da televisão com a cobertura da chegada do furacão Laura e as repercussões das mobilizações anti-racistas em Wisconsin, onde um jovem afro-americano foi baleado nas costas por policiais e dois manifestantes foram mortos por civis. armado.

Apesar da pandemia, o show republicano, dirigido por ex-assessores de Trump dos dias de apresentador de reality show, não foi um produto enlatado do início ao fim. Também não houve discursos gravados em sets caseiros improvisados. Os palcos foram divididos entre o auditório com o clássico púlpito, muitas bandeiras americanas ao fundo e quase nenhuma audiência, e a própria Casa Branca, que foi usada simplesmente pelo presidente como ativo de campanha.

O protagonismo exclusivo foi Trump e sua família. Melania Trump era a voz moderada da família. Ele simpatizou com os parentes das mais de 180.000 mortes por coronavírus. Ela reconheceu à sua maneira que o racismo é um problema e que o passado deve ser "revisto", e acabou fazendo uma defesa desapaixonada do marido, que, como se viu publicamente, prefere se manter afastado.

Em cada um dos quatro dias que durou a convenção, houve um Trump que se dedicou a destacar a figura do atual presidente, transformado em uma espécie de "super-homem" do imperialismo norte-americano, falando para uma plateia composta em sua maioria por eleitores já convictos. “Visionário”, “o homem mais rico do mundo”; "O guardião dos Estados Unidos" e o "guarda-costas da civilização ocidental" foram algumas das definições dos oradores do círculo pessoal e político de Trump.

Isso mostra não só o egocentrismo trumpista, que é um traço psicológico e político, mas sobretudo que desde 2016 o partido republicano completou sua transformação no "partido Trump". Como Bill Kristol, um neoconservador e ativista de frente anti-Trump, resumiu: “Não é mais o Partido Republicano. É um culto de Trump." Por isso não surpreendeu a ninguém que figuras tradicionais do Grand Old Party, como George W. Bush (o último ex-presidente republicano vivo) não participassem, ainda que não fosse apenas por cortesia e para manter as formas. E que muitos republicanos que são ativos na ala conservadora moderada do centro político decidiram diretamente fazer campanha pela fórmula democrata Joe Biden-Kamala Harris.

Do ponto de vista político, não havia nada fora do roteiro trumpista. Fórmulas como America First e MAGA (Make America Great Again) que sintetizam a orientação protecionista e relativamente isolacionista expressa por Trump continuam a dominar o discurso. Com os pés no chão, esses slogans gerais são traduzidos em uma campanha anti-China brutal e uma reafirmação unilateral do imperialismo dos EUA, um coquetel de guerras comerciais e sanções, para evitar o declínio hegemônico dos Estados Unidos.

O secretário de Estado Mike Pompeo gravou uma mensagem de Jerusalém, onde está em uma missão diplomática supostamente discutindo com Netanyahu uma política mais agressiva contra o Irã. Pompeo justificou a política externa do governo Trump, em particular a hostilidade contra a China, a retirada do tratado nuclear com a Rússia e o assassinato do general Suleimani. Quase simultaneamente, o secretário de Defesa, Mark Esper, publicou um artigo no Wall Street Journal ("O Pentágono está preparado para a China") em tom beligerante, citando a Estratégia de Defesa Nacional de 2018, que elevou a China ao posto de principal perigo estratégico para o imperialismo norte-americano, e anunciando coordenação militar com Austrália, Japão e outros países da região.

Em um esquema de círculos concêntricos, os objetivos da convenção eram, em primeiro lugar, consolidar e motivar o núcleo duro da base eleitoral de Trump. E em segundo lugar, visar nichos que podem fazer a diferença, como setores atrasados ​​da velha classe trabalhadora branca dos "estados indecisos" que não votaram em 2016; e um eleitorado de classe média bastante conservador e abastado dos subúrbios (a famosa “mamãe do futebol”) que nas eleições de meio de mandato de 2018 favoreceu o Partido Democrata.

Os discursos foram dirigidos a esses setores.

Donald Jr (o filho mais velho do presidente) argumentou que a pandemia do coronavírus foi uma "cortesia" do Partido Comunista Chinês para arruinar a economia e com isso as perspectivas de um segundo mandato para seu pai. E ele colocou a escolha em termos de uma troca entre "igreja, trabalho e escola" versus "motins, saques e vandalismo". Sua namorada, a efusiva ex-âncora da Fox News, falou contra a "agenda socialista" de Joe Biden (sic). Logo após, um empresário cubano que representa os gusanos (emigrados anti-castritas, em tradução literal signifca vermes) da Flórida disse que Trump está "lutando contra as forças da anarquia e do comunismo."

Embora de longe, o primeiro prêmio foi disputado por um conjunto de personagens "malucos", combatentes da "guerra cultural" que a extrema direita se sente chamada a travar em defesa dos valores norte-americanos. Entre eles, destacaram-se os adeptos da teoria da conspiração QAnon (Q- Anonymous) segundo a qual haveria uma rede de pedófilos formada por liberais, democratas e funcionários: entre os suspeitos estão Obama e Bill Gates (essa teoria atingiu setores do “antiquarantino " Na Argentina). Havia também os McCloskeys, uma gangue do Missouri, que armava ameaças contra manifestantes anti-racismo. E a neta de Billy Graham, o pastor icônico da direita evangélica que falou contra banheiros transgêneros. Esses setores estão na veia de Steve Bannon, estrategista e ideólogo da campanha Trump de 2016 e do populista de extrema direita “internacional” (Bolsonaro, Brexit, etc.) preso por escandalosa fraude com os fundos para construir o famoso muro na fronteira com o México.

Além do núcleo duro, a convenção visava especificamente aos cristãos evangélicos, que 81% votaram em Trump em 2016 e continuaram a ser partidários ferrenhos, com uma campanha violenta contra o aborto. E especialmente para as mulheres conservadoras, de um particular “feminismo de direita” promovido por Ivanka Trump (a filha favorita do presidente) e a primeira-dama, que levanta o oximoro de reivindicar o direito de escolher a opressão de gênero.

Até o momento, com médias de diferentes pesquisas nacionais, Biden tem uma vantagem de 9 pontos, embora, como sabemos, a chave para vencer a eleição, que é indireta, não seja o voto popular, mas a composição do colégio eleitoral.

A estratégia eleitoral de Trump é apresentar-se como alternativa ao “caos” e tentar evitar que a eleição de 3 de novembro se transforme em referendo nos últimos meses de sua presidência, dominados pelos estragos do coronavírus, a recessão econômica e o mobilizações contra o racismo e a violência policial.

No contexto de uma profunda crise política, o bipartidarismo republicano-democrata continua a funcionar quase em um espelho: os democratas agitam o espectro do fascismo para justificar o voto no neoliberal Biden como o mal menor contra Trump. E os republicanos agitam o espectro do "socialismo" para consolidar a base conservadora.

No entanto, as eleições que serviram como um desvio da rebelião em massa que eclodiu após o assassinato de George Floyd também podem abrir um cenário de crise. Se Trump perder por uma margem menor do que prevêem as pesquisas, não se pode descartar que ele não aceitará reconhecer o resultado. Os alertas sobre a fraude e a tentativa de impedir o voto pelo correio alimentam este cenário hipotético que colocaria em causa a legitimidade do próximo governo em nada menos que a principal potência imperialista. E se ele vencesse, um segundo mandato de Trump teria o potencial de aprofundar as tendências em direção à radicalização política.




Tópicos relacionados

Donald Trump   /    Eleições Estados Unidos   /    Estados Unidos   /    Internacional

Comentários

Comentar