Internacional

INTERNACIONAL

A Amazon não desperdiçará a crise

quinta-feira 2 de abril| Edição do dia

A pandemia da COVID-19 está causando não apenas doenças e mortes, mas também aumentando as fileiras dos pobres e desempregados. Algumas pessoas e empresas, no entanto, estão ficando mais ricas do que nunca. Como a Amazon e outras grandes empresas estão lucrando com a crise?

Parece que alguns conseguiram lucrar mesmo antes de a crise ter sido totalmente desencadeada. Jeff Bezos vendeu uma enorme quantidade de ações da Amazon em fevereiro: 12 vezes mais do que havia vendido nos meses anteriores. Na época, as ações estavam no auge. Ele vendeu ações no valor de USD 3,4 bilhões antes dos mercados despencarem, resultando em uma perda de 30%. Na semana passada, a Amazon também se beneficiou da recuperação do mercado, compensando as perdas do mês. O homem mais rico do mundo é agora USD 5,5 bilhões mais rico do que no início de 2020; sua fortuna é de USD 120 bilhões, a mesma quantia investida nos orçamentos de hospitais de todo o país com a Lei de Emergência “CARE”, que acabou de entrar em vigor. Somente uma pessoa é dona do que entrou em um sistema de saúde que muitas das 327 milhões de pessoas, as quais deveria servir, nem conseguem acessar.

Embora Bezos tenha lucrado tremendamente como indivíduo, sua empresa também está bem posicionada para se beneficiar da pandemia. A crise aumentou tão intensamente que os alimentos básicos e certos suprimentos médicos são escassos ou se tornaram muito mais caros. Proibição do tráfego e temores de contágio estão levando as pessoas a recorrer à Internet - fornecedores especulativos conseguiram vender um único frasco de desinfetante para as mãos na Amazon por USD 350. Embora a empresa tenha bloqueado milhares de ofertas com preços manipulados, ela não realiza os controles necessários para eliminá-las completamente. Ela prioriza o crescimento da plataforma e seus lucros em detrimento da proteção das pessoas, que não têm outra alternativa, servindo assim como veículo para fraude e exploração.

Além disso, os serviços de entrega fazem parte dos trabalhos essenciais incluídos nas políticas de diferentes estados, e a Amazon – juntamente com outras grandes empresas – está preparando uma contratação massiva de novos trabalhadores. Muitos virão de outros setores de onde foram demitidos: indústria, varejo, hotelaria, turismo e assim por diante. Cerca de 3,3 milhões de pessoas nos Estados Unidos entraram com pedido de desemprego em uma única semana de março. Agora, sem medidas mínimas de proteção ao trabalho, como congelamento de demissões, muitas pessoas desempregadas são forçadas a aceitar empregos na Amazon, CVS, Walmart e outras grandes empresas que estão se beneficiando da crise econômica e sanitária. A maioria será de empregos não desejados: precários, com baixos salários e poucos ou nenhum benefício.

Somente a Amazon planeja contratar 100.000 trabalhadores adicionais para trabalhos de armazém e entrega. A empresa poderá usar a ameaça de demissões e o grande número de recém-desempregados como um exército de reserva para substituir esses novos trabalhadores e continuar com suas políticas anti-operárias e com salários de fome, que provocaram numerosos protestos nos últimos anos.

O descontentamento dos trabalhadores persiste com a crise. A empresa do bilionário Bezos expôs milhares de trabalhadores ao coronavírus – a empresa ocultou o fato de que havia casos positivos entre funcionários em vários armazéns, expondo a eles e suas famílias. Esses armazéns não têm ventilação suficiente e não são limpos de maneira adequada e regularmente para torná-los seguros, aumentando os riscos. Luvas e máscaras – vendidas a preços absurdos na Amazônia – são escassas para os trabalhadores.

Muitos trabalhadores da Amazon agora estão sendo forçados a fazer horas extras, como o trabalhador de um armazém na Califórnia, cuja jornada de trabalho é agora de 12 horas. Para justificar essas condições, a Amazon aumentou os salários em apenas USD 2 por hora. Aparentemente, é isso que a empresa acredita que vale a vida de seus trabalhadores – o salário médio de um trabalhador da Amazon em 25 de março era de USD 15,74 por hora. Não é de se admirar que os trabalhadores de um armazém da Amazon em Staten Island tenham parado o trabalho para exigir que o local fosse fechado até que suas condições de trabalho melhorassem.

Naturalmente, a Amazon não é a única empresa que se beneficiou da crise: muitas grandes empresas farmacêuticas e conglomerados de alimentos estão passando por um boom nos negócios. Ao mesmo tempo, as grandes empresas que estão vendo sua atividade decair durante a pandemia ainda estão procurando maneiras de lucrar, como no caso da General Motors, que pediu mais de USD 1 bilhão ao governo federal para produzir ventiladores. Embora Trump tenha invocado a Lei de Produção de Defesa para fazer com que a GM produzisse os ventiladores, é necessário muito mais para mobilizar todos os setores possíveis para lidar com a COVID-19, incluindo hospitais e clínicas privadas.

A pandemia está se espalhando. Trabalhadores e pobres são expostos ao contágio e desemprego, enquanto os bilionários permanecem seguros e continuam a lucrar. Sob ataques duplos da pandemia e do capitalismo, um trabalhador da Amazônia disse: "Sinto que minha vida vale mais".

E vale. Temos que fazer os ricos pagarem pela crise.

Tradução: Rofolfo Souza




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Amazon   /    Nossas vidas valem mais que o lucro deles   /    Internacional

Comentários

Comentar