Internacional

9M GREVE FEMINISTA NO CHILE

#9M no Chile: com marchas e cortes de rua, começou a convocatória a uma greve feminista no Chile

Depois do massivo Dia Internacional da Mulher, com milhões de pessoas nas ruas, o Chile se prepara para a convocação de uma greve feminista em 9 de março. O dia começou com cortes de estradas em Santiago e marchas em Antofagasta.

segunda-feira 9 de março| Edição do dia

Cortes de estradas em Santiago e marchas em Antofagasta são as primeiras ações deste dia 9 de março para levar adiante a convocação de uma greve feminista. Essas ações ocorrem apenas um dia após o dia histórico de mobilizações em todo o país durante o Dia Internacional da Mulher.

Pelo menos três milhões e meio de mulheres marcharam pelo Chile no 8 de março. Duas milhões delas fizeram isso em Santiago, onde tomaram a Plaza de la Dignidad e seus arredores.

A força da mobilização mostrou que as demandas do movimento de mulheres são atravessadas pela convulsão social que o país vive mais de quatro meses após o início da rebelião popular de 18 de outubro e a discussão em direção a uma constituinte, onde absolutamente tudo pode ser discutido. Foi assim que surgiram as consignas cruzadas não apenas das demandas históricas da luta das mulheres por seus direitos, mas contra a repressão, contra o governo assassino de Piñera e os acordos negociados no Congresso nas costas dos manifestantes.

Devido ao fato d8 8 de março ter caído em um domingo, tanto a coordenadora 8 de março quanto várias organizações de mulheres decidiram que a Greve Feminista deveria ocorrer na segunda-feira 9, juntamente com toda uma série de ações que começaram no início da manhã.

Em Santiago, vários cortes de ruas foram registrados em várias comunas, especialmente na Estação Central, bem como nos bairros e estações de metrô. Onde novamente ocorreram atos graves de repressão polícia.

Tradução do tweet: Com manifestações, é diferente em todo o Chile, começa o #GreveFeminista8M!
Aqui no metrô da Grécia, pessoas de Peñalolen agitam a greve.
Sinta, ouça, até quem luta! #8M2020 #El9NingunaSeMueve

Tradução do tweet: Interrompem o tráfego na Alameda. Protestos do grupo Ukamau.

Tradução do tweet: moradores de #ukamau se manifestam em #alameda com #generalvelsquez. Até agora, não há interrupção do trânsito, pois estão na calçada.

Por outro lado, as trabalhadoras do Hospital Barros Luco, em Santiago, encabeçam a paralisação e a mobilização em que votaram para essa segunda-feira.

As trabalhadoras do hospital entraram em greve e saíram às ruas para passar do sul de Santiago à Plaza Dignidad.

Trabalhadoras e professoras do setor público também foram às ruas. Isso é feito apesar da principal central sindical, a CUT e o Bloco Sindical da Mesa de Unidade se recusarem a convocar uma greve geral em todo o país, e terem acabado de convocar uma greve na quarta-feira, que - increditavelmente - será apenas de 11 minutos.

Por volta do meio dia, trabalhadores e estudantes marcharam em frente a La Moneda (casa do governo) agitando um enorme lenço verde, símbolo da luta pelo direito ao aborto e cantando consignas contra Piñera.

Em Antofagasta, professores, assistentes de sala de aula, trabalhadores da educação e moradores se manifestaram na Plaza de la Revolución.

Cerca de 2.000 professores, co-professores, moradores, trabalhadores da educação e estudantes concentraram-se no início da Praça da Revolução, manifestando-se nesta convocação a uma greve feminista.

Com gritos contra Piñera e os Carabineros de "assassinos", centenas de mulheres e jovens trabalhadores expressaram sua total rejeição ao governo criminoso, que além de não responder a nenhum problema estrutural - como aposentadorias, salários precários, garantia de educação pública - é responsável da morte de pelo menos 40 pessoas nesses meses de rebelião, cerca de 400 pessoas com lesões oculares, estupro e tortura, entre outros detonadores.

Os professores e trabalhadores da educação encabeçarão uma marcha pelas ruas da cidade, exigindo demandas históricas sibre suas condições de trabalho e também em favor da educação pública.

Nessa instância interviu a professora, militante do Pão e Rosas chileno e presidenta da Associação de Professores Comunitários de Antofagasta, Patricia Romo, que começou sua intervenção saudando todos os setores "que decidiram paralisar este dia (...) Ontem fomos três milhões e meio de mulheres nas ruas e isso é algo histórico. Com força, saímos as mulheres deste país por nossas reivindicações e para dizer a esse governo machista, assassino e criminoso que ele precisa cair, dissemos em voz alta "Fora Piñera" e pelo atendimento de todas as nossas demandas", manifestou a dirigente.

Romo fez duras críticas à prefeita Karen Rojo e Edgar Blanco, "por serem responsáveis ​​pela repressão sofrida na cidade e por toda a violência política e sexual que as mulheres vivem nas delegacias", denunciou a professora.

Quando começaram a marchar ao meio-dia, o contingente foi brutalmente reprimido pelas Forças Especiais de Carabineros.




Tópicos relacionados

8M 2020   /    Paralisação 8M   /    8 de Março   /    Internacional

Comentários

Comentar