Sociedade

CAOS NA SAÚDE

904 mil pacientes do SUS aguardam por cirurgia ’não urgente’. Espera chega a 10 anos

Pelo menos 904 mil pessoas esperam por uma cirurgia eletiva - não urgente - no Sistema Único de Saúde (SUS). Parte desses pacientes aguarda o procedimento há mais de 10 anos. Isso é o que mostra levantamento inédito feito pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). A demora para realizar procedimentos pode agravar o quadro dos pacientes.

segunda-feira 4 de dezembro| Edição do dia

O número de demandas é ainda mais alto, já que os dados são de somente 16 Estados e 10 capitais que responderam. O levantamento revela também que a quantidade de pessoas que aguardam cirurgia no sistema público é maior do que o medido pelo Ministério da Saúde. Em julho deste ano, a pasta divulgou a primeira lista única desse tipo de procedimento - antes disso, os números eram registrados só pelos Estados e municípios e nunca haviam sido centralizados.

Na ocasião, a pasta informou que a fila era de 804 mil solicitações no País. Na última semana, novo balanço apresentado pelo ministério apontou que, após avaliação feita pela ouvidoria, o número caiu para 667 mil pedidos porque havia duplicidade de cadastros na primeira lista.

"Tanto o número do ministério quanto o levantado pelo CFM são subestimados porque parte dos Estados não respondeu ou não tem os dados organizados. Há ainda aquelas pessoas que precisam da cirurgia, mas nem sequer têm acesso ao especialista que dá o encaminhamento", destaca o presidente em exercício do CFM, Mauro Luiz de Britto Ribeiro.

A demora na realização de cirurgias pode levar ao agravamento do quadro de saúde do paciente, piorando o prognóstico e aumentando os custos para o próprio sistema. Quem não faz a cirurgia eletiva, diz Britto Ribeiro, "vai acabar caindo um dia no sistema de urgência e emergência ou operado num quadro muito pior do que no início da doença."

É o caso da comerciária Ana Célia Gonçalves, de 52 anos, que aguarda cirurgia renal desde 2012. Quando seu nome foi incluído na lista, ela tinha quadro leve de cálculo renal. Neste ano, descobriu que o rim direito perdeu totalmente a funcionalidade com o agravamento da doença. Agora, a cirurgia será de retirada completa do rim.

Ela diz sofrer de dores agudas e segue dieta restrita para o problema não piorar ainda mais. "Tenho medo de perder o outro rim e precisar, então, de diálise e entrar na fila de transplante." Procurado pela reportagem, o hospital não se manifestou.

Ao menos 750 pedidos de cirurgias no País estão na fila há mais de 10 anos. No Estado de São Paulo, há casos em que o paciente aguarda desde 2005, recorde entre os Estados que responderam ao CFM. Na rede paulista, 143 mil esperam por cirurgia eletiva.

Entre os procedimentos com o maior número de demandas represadas no Brasil estão as cirurgias de catarata (113.185), correção de hérnia (95.752), retirada da vesícula (90.275), varizes (77.854) e de amídalas ou adenoide (37.776). Só estes cinco tipos concentram quase metade de todos os pedidos na fila.

O Ministério da Saúde diz investir na informatização das unidades de saúde para ter noção exata da demanda por cirurgias eletivas no Brasil. Além disso, segundo a pasta, recursos têm sido repassados aos Estados para ajudar a resolver o problema. Mas sabemos que pelo contrário, com a PEC 55, intitulada PEC do fim do mundo que foi aprovada no final do ano passado, o governo golpista de Temer quer cortar mais ainda os investimentos em saúde, educação, direitos elementares da população.

Sistema de Saúde que desde o governo Dilma vem sendo atacado, se aprofundando mais a partir do golpe institucional do ano passado, deteriorando o serviço público e gratuito para entregar de bandeja nas mãos da iniciativa privada, ampliando os planos de saúde que se transformam numa alternativa para não morrer nas filas de espera, mas que só servem para sugar o dinheiro dos trabalhadores e da população, é essa a realidade da saúde hoje, por isso é mais que urgente que todos os sindicatos, entidades, movimentos sociais, partidos de esquerda se coloquem na luta por uma saúde 100% estatal e gratuita que seja controlado pelos trabalhadores da saúde e pela população.




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Privatização   /    Sociedade   /    Saúde

Comentários

Comentar