Gênero e sexualidade

8M - USP

8M na USP: todas ao ato contra a terceirização do bandejão

No dia internacional de luta das mulheres, estudantes e trabalhadoras da USP realizarão ato contra a terceirização do bandejão

quarta-feira 7 de março| Edição do dia

No dia internacional de luta das mulheres, as trabalhadoras e estudantes da USP irão realizar um ato contra a terceirização do bandejão. O reitor Vahan de forma absolutamente ardilosa marcou pra esse dia o edital de terceirização da sala de louça do bandejão central. Parte fundamental do seu plano de avançar na privatização de todos os restaurantes universitários na USP.

Uma verdaderia afronta escolher esse dia pra sacramentar o aumento do trabalho precário dentro da universidade. Os trabalhadores do bandejão, em sua maioria mulheres negras, já sofrem com inúmeras doenças causadas pelo trabalho pesado e repetitivo. A terceirização só vem agravar esse caso colocando trabalhadores agora com menos direitos para fazer o mesmo trabalho.

Diante disso a secretaria de mulheres do Sintusp está chamando um ato, às 12h em frente ao bandejão central, que já conta com adesão do coletivo feminista da letras, o Marias Badernas e da Frente Feminista da Feusp. Confira o chamado do evento:

Neste 8M convocamos toda a categoria, e fazemos um chamado aos estudantes e professores para comporem o ato às 12h, em frente ao bandejão central, denunciando o pregão de terceirização marcado para o próprio 8 de março, precarizando ainda mais as condições de trabalho das mulheres, que são a larga maioria entre os trabalhadores terceirizados. Denunciando o fechamento das vagas na creche e o não cumprimento por parte da reitoria da decisão na justiça de reabrir imediatamente a creche oeste, deixando mães sem o direito à creche e à amamentação prolongada, definida pela OMS.

Fim da terceirização, efetivação sem concurso já!

Reabertura da Creche Oeste e do HU!

Por condições para amamentar nossos filhos! Creches no local de trabalho é direito da mãe e da criança!

Pelo direito de cuidar dos nossos filhos sem ter desconto salarial! Licença sem restrições!

Basta de demagogia da reitoria! O USP Mulheres não nos representa!




Tópicos relacionados

8M2018   /    Secretaria de Mulheres do Sintusp   /    USP   /    Gênero e sexualidade   /    Juventude   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar