Gênero e sexualidade

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

8 de Março: Damares debocha das mulheres e diz que ideia de igualdade incentiva agressões

Damares Alves, reacionária ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos do governo Bolsonaro (PSL), disse que agressões são decorrentes da ideia que homens e mulheres são iguais: "já que a menina é igual, ela aguenta apanhar".

sexta-feira 8 de março| Edição do dia

Foto: Damares Alves. Reprodução/YouTube

Declarações da ministra, em pleno 8 de Março, Dia Internacional da Mulher, dão mais um motivo para mulheres saírem às ruas contra o governo Bolsonaro e a extrema direita misógina e inimiga das mulheres.

A declaração foi feita hoje (8), durante um evento com a presença do ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) para a assinatura de um convênio cheio de demagogia entre os dois ministérios, supostamente para combater a violência doméstica, que nunca foi uma prioridade de um governo cheio de machistas e reacionários.

Damares disse que "vamos ensinar os meninos a levarem floras para as meninas, por que não? A abrir porta do carro para uma mulher, por que não?". E concluiu: "enquanto nossos meninos acharem que menino é igual a menina, como se pregou no passado, algumas ideologias...já que a menina é igual, ela aguenta apanhar".

A fala de Damares é mais um declaração repudiável vinda de um governo inimigo das mulheres, cujo presidente Jair Bolsonaro já tem um histórico de posicionamentos e declarações machistas, desde um processo por apologia ao estupro, até declarações defendendo que mulheres deveriam ganhar menos por engravidarem. Declarações que são parte do plano de ataques do governo, como a Reforma da Previdência, que vai penalizar especialmente as mulheres trabalhadoras.

Damares Alves é representante desse governo e quer aumentar a opressão contra as mulheres. A falta de compromisso do governo com a defesa dos direitos das mulheres também já tinha ficado clara quando Damares afirmou que mães e pais de de meninas deveriam "fugir do Brasil" devido às altas taxas violência contra as mulheres, que o governo não se propõe a combater verdadeiramente. A mesma ministra que afirmou que “modelo ideal de sociedade é com mulheres apenas em casa”.

O governo Bolsonaro usa os ataques às mulheres, negros e LGBT como uma ferramenta para ajudar na aprovação de sua agenda de ataques, como a Reforma da Previdência, que ataca especialmente as mulheres trabalhadoras.

As declarações de Damares são mais um motivo para as mulheres saírem às ruas neste 8 de Março por todo o país, ao lado das manifestações que ocorrerão por todo mundo. Contra Bolsonaro, aliado de Trump na ofensiva imperialista na Venezuela, por justiça por Marielle e contra a Reforma da Previdência. Para enfrentar o governo Bolsonaro, é preciso construir um feminismo socialista, anti-imperialista, anti-racista, da classe trabalhadora e pela diversidade sexual.

Leia também: "Manifesto: Por um feminismo socialista para enfrentar o governo Bolsonaro"




Tópicos relacionados

8M 2019   /    Damares Alves   /    Governo Bolsonaro   /    Mulheres Contra Bolsonaro   /    Jair Bolsonaro   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar