7º Congresso dos Trabalhadores da USP

7º Congresso dos Trabalhadores da USP debate educação e universidade no governo Bolsonaro

Neste terceiro dia do 7º Congresso dos Trabalhadores da USP, aconteceu a mesa sobre o futuro da educação e das universidades, fazendo um resgate histórico dos ataques nos últimos anos e qual deve ser o projeto de educação para o país.

quarta-feira 4 de setembro| Edição do dia

Diante dos absurdos ataques à educação, como o future-se de Bolsonaro, Carlos Giannazi (deputado estadual), Maíra Machado (diretora da APEOESP pela oposição e militante do MRT), Antônio Alves (representante da Fasubra), Profª Flávia (oposição da APEOESP/CSP-Conlutas) e Wagner (Fórum das seis) discutiram os reflexos desses ataques para a educação do país e quais as tarefas dos professores, trabalhadores e estudantes para defender a educação pública.

O future-se de Bolsonaro é um ataque que veio para avançar na precarização e na privatização da educação. Ataca diretamente a autonomia universitária, a pesquisa, as carreiras docentes, entregando tudo o que já foi produzido pelas universidades públicas e sua administração para os grandes empresários. Além de um ataque econômico, é um ataque profundamente racista, porque avança contra as cotas e a permanência estudantil.

Bolsonaro e Doria querem formar um grande contingente de mão de obra de trabalhadores jovens precários, que deixam as suas vidas em empregos como Rappi e IFood. Para isso, avançam no ataque ideológico para que os jovens que estão hoje nas escolas públicas não consigam entrar nas universidades, impulsionando o Escola Sem Partido e os cortes nas pesquisas como o as bolsas do CNPq, além de propor uma avaliação ideologia para decidir quais pesquisas terão investimentos.

O governo declarou que vai liberar mais verbas para algumas das universidades federais que correm o risco de fechar. Faz isso, porque teme que a crise orçamentária das universidades e os ataques como o future-se sejam um gatilho para que os estudantes e os trabalhadores saiam às ruas e unifiquem essas demandas com o ódio à destruição da Amazônia, à reforma da previdência e trabalhista e a todos os ataques aos trabalhadores.

Segue abaixo a intervenção da Professora estadual Maíra Machado, diretora da APEOESP pela oposição e militante do MRT (Movimento Revolucionário de Trabalhadores).




Tópicos relacionados

Governo Bolsonaro   /    SINTUSP   /    Jair Bolsonaro   /    João Doria   /    Educação   /    USP

Comentários

Comentar