Gênero e sexualidade

MÊS DO ORGULHO LGBT

51 anos depois: Stonewall ainda é uma revolta

Junho é conhecido como o mês do orgulho LGBT. Isso por que há 51 anos, em 1969, nesse mesmo mês ocorreu a primeira revolta LGBT, com um forte caráter contra a polícia que desde aquela época reservava enorme opressão e violência contra a comunidade LGBT.

quarta-feira 3 de junho| Edição do dia

Hoje (2 de junho), a fúria negra voltou ao bar de Stonewall, palco da luta LGBT em Nova York, para exigir justiça a George Floyd, Tony McDade e Nina Pop. George Floyd assassinado brutalmente pela polícia norte americana, trouxe à tona a enorme fúria da população negra que vê diariamente suas vidas rifadas pelo racismo.

A manifestação de hoje, levanta a bandeira do Black Lives Matter, também grita justiça por Tony McDade e Nina Pop, ambos negros e trans, ambos assassinados pela polícia racista.

No sétimo de dia de manifestação nos EUA, vemos milhares nas ruas, em frente ao bar de StoneWall, palco do início da luta LGBT e marco desse movimento. A importância da força que o movimento negro tem assumido mundialmente é clara, a importância desse movimento se juntar ao movimento LGBT pra dizer, Vidas Negras LGBT importam! Vidas LGBT importam! E se colocar contra esse sistema racista, lgbtfóbico é machista é maior ainda.

Diante da pandemia da COVID-19, o capitalismo tem se mostrado verdadeiramente, ás claras, sem máscaras ou fantasias. Esse sistema que coloca o lucro e o privilégio de uma minoria acima da vida de todo o resto, trabalhadores, [email protected], LGBTs, mulheres, demostra a cada dia mais que precisa acabar.

A força que se expressa as ruas, com todo o ódio dos que são diariamente, explorados, oprimidos e assassinados, pela polícia, pelo Estado, é a força de toda a classe trabalhadora unida em prol das suas vidas.

Pode te interessar: Vidas trans negras importam: Tony McDade, Presente!

#BlacLivesMatter #VidasNegrasImportam
#QueerLivesMatter #VidasLGBTImportam




Tópicos relacionados

Stonewall   /    #BlackLivesMatter   /    LGBT   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar