A ESQUERDA QUE A DIREITA GOSTA

5 momentos em que o PC do B fechou com a direita golpista

domingo 26 de março| Edição do dia

PC do B, imprescindível para a Burguesia brasileira.

O Partido Comunista do Brasil fez seu aniversário de 95 anos nesta semana, e a comemoração na Câmara dos Deputados contou com a ilustre presença do golpista Rodrigo Maia (DEM) na mesa. A foto viralizou nas redes, e muitos devem ter se perguntado: "mas o PC do B não era contra o Golpe?" Não é contraditório ao PC do B convidar este eminente golpista, tropa de choque dos ataques de Temer no congresso nacional? Todos sabemos que Maia, presidente da Câmara de Deputados, é uma das peças chaves para Temer, como ficou demonstrado na aprovação do PL 4302 um dia antes desta cerimônia. Mas o que nem todos sabem é que o PC do B também é uma peça chave para os golpistas, como lembraremos nossos leitores nestes 5 momentos em que o PC do B fechou com a direita golpista.

1) Uma cerimônia à altura do histórico de traição da classe trabalhadora do PC do B

Realizada alguns dias depois do queridinho do PC do B, Rodrigo Maia, aprovar um brutal ataque aos trabalhadores com a PL 4302, a cerimônia esteve à altura da farsesca história de traições do Partido Comunista do Brasil, como foi retratada no blog do presidente nacional do PC do B, Renato Rabelo. Pode se verificar que além de nada ter sido feito por parte deste partido contra a Lei da terceirização irrestrita, este ataque nem mesmo é mencionado em discurso.

A classe trabalhadora passou longe deste aniversário... já os capitalistas acharam o evento imprescindível! Afinal de contas o PC do B dirige a segunda maior central sindical do país, a CTB, e nada fez para barrar o PL 4302. A história poderia ser diferente se a CUT e a CTB tivessem chamado uma paralisação nacional contra o PL, contudo, ocorreu o contrário: o PC do B convidou Maia para a sua festa de aniversário. É notável também o abandono da denuncia do golpe institucional por parte deste partido, como pode ser visto no discurso da presidenta nacional do partido, deputada Luciana Santos. (Veja no link acima.)

Afinal não dá para entregar a classe trabalhadora para os interesses patronais, sem que isso signifique também facilitar a vida dos golpistas. Para o PC do B, o golpe já é fato consumado, para que constranger Rodrigo Maia? Mas se nos atentarmos para o discurso da presidenta nacional do PC do B, é bem pior que isto: o PC do B está chamando os golpistas da direita para uma unidade em defesa da democracia! Uma "democracia" que funciona igual uma ditadura contra o direito dos trabalhadores, caracterização fundamental da visão comunista sobre o estado, visão esta que o PC do B jogou fora há anos (ou nunca teve).

2) Parceria com Maia é antiga, PC do B ajudou a elegê-lo na Câmara

Na imagem, o homem de Temer para a reforma trabalhista comemora sua eleição na Câmara de Deputados este ano. O que muitos não se recordam é que ele foi eleito para nos atacar com a ajuda do PC do B. Recorde este dia aqui.

3) A juventude do PC do B na vanguarda da parceria com os golpistas

No vídeo abaixo, verificamos que a tradição de convidar golpistas reacionários para suas atividades políticas também é comum à juventude do PC do B, a União da Juventude Socialista. No vídeo abaixo vemos a participação especial de Jorge Picciani, em 2010, em um congresso da UJS:

Quatro anos depois de homenagear Lula, o latifundiário-empresário do gado Picciani iria ser o mentor, no Rio de Janeiro, do "Aezão", um racha dentro do PMDB que fez campanha pela fórmula Aécio-Pezão nas eleições de 2014 (a chapa oficial do PMDB era Pezão-Dilma). O mesmo é chefe da Alerj e peça chave nos ataques de Temer aos trabalhadores do Rio de Janeiro, como foi com a votação da privatização da CEDAE.

A aliança do PC do B com os golpistas do Rio rendeu muitos frutos ao partido e à direita, como quando a UJS apoiava o antigo prefeito Eduardo Paes, notório por bater recorde em remoções urbanas, de favorecer empresários do transporte e é investigado por desviar dinheiro de obras públicas da Copa e Olimpíadas.

Esta parceria durou até fevereiro de 2016, um mês antes do golpe, como pode ser lido no site deles mesmos. Em troca de cargos, não só no Rio mas em todo o país, a Juventude do PC do B (UJS) cumpria um importante papel junto à direita ao utilizar a União Nacional dos Estudantes como um freio para qualquer tipo de luta da juventude.

Por exemplo, na imagem abaixo podemos ver cartaz da UJS utilizado em meio à greve das Universidades Federais, que foi feita em 2015 quando Dilma cortou mais de 10 bilhões da educação.


Sem saber, a UJS já estava saindo na frente do "movimento Desocupa", que iria surgir depois com grupos armados impulsionados pelo governo para invadir as escolas ocupadas pelo movimento secundarista.

4) O candidato que unificou PC do B ao MBL

A lista de apoio à direita golpista é infinita e com certeza excederia limite de caracteres desta página, mas outro caso que merece atenção é a frente eleitoral em que o PC do B fez parte em Guarulhos, apoiando o candidato Eli Correa Filho, também do DEM, mesmo candidato do golpista Movimento Brasil Livre, movimento golpista defensor do fim dos direitos trabalhistas no Brasil.

5) Coligação com Moreira franco em 1986

Como deu para ver, quando se trata de PC do B, é difícil ficar só nos 5 momentos. Afinal, este partido começa sua trajetória legal em 1986 coligando-se com Moreira Franco para governador no Rio de Janeiro, que na época era o favorito de Sarney, citado 34 vezes em delação da Odebrecht, e que hoje é mantido Ministro de Temer por liminar do STF (na época, o PT apostava em Fernando Gabeira, outro que se virou de vez pro golpismo).

Há 95 (?) anos fechando com a direita?

Como vimos, o "socialismo" capitalista do PC do B tem uma grande tradição de reverenciar alianças com a direita, seja hoje quando abrem mão de denunciar o golpe e os ataques de Temer em seu aniversário para agradar Maia ( a esquerda que a direita gosta), seja em toda sua longa história e trajetória de buscar espaço dentro do estado burguês, para isso valendo todo tipo de troca de favores e acordos assinados nas costas dos trabalhadores.

Mas talvez nem tão longa seja sua trajetória, já que o PC do B surge de um racha do stalinismo, datado mais ou menos do período em que Kruschev, para se beneficiar na disputa pela direção da URSS, comprovou ao mundo os crimes de Stalin, as provas forjadas e a perseguição de oposicionistas, da IV internacional até velhos bolcheviques, realizada pelo grande organizador de derrotas da III Internacional.

No brasil isso gerou inúmeros rachas, cada um reivindicando ser o verdadeiro "partidão". Posteriormente, com a restauração capitalista da antiga URSS levada adiante pela própria burocracia herdeira do Stalinismo, a maioria dos grupos stalinistas foram aos poucos adquirindo o status de "seita" política. Por exemplo o Stalinismo russo foi encontrar recentemente sua tábua de salvação na Fé da Igreja Ortodoxa. Já alguns como o PC do B se adequaram ao estado burguês e por isso conseguiram sobreviver, às custas de vender os trabalhadores para a patronal através de estabelecer sua influência burocrática nos sindicatos.

Cabe à classe trabalhadora brasileira tirar lições do oportunismo levado adiante por suas direções, à começar imediatamente por colocar os sindicatos à serviço da luta dos trabalhadores contra os ataques de Temer. A trégua oferecida pela CTB, com direito à diplomáticas celebrações junto aos golpistas, é uma traição a cada trabalhador ameaçado pela reforma trabalhista, da previdência e o conjunto dos ataques de Temer.

Ao contrário disso, é preciso um plano de luta para construir a greve geral contra estes ataques. No centenário da Revolução Russa, os trabalhadores podem e devem avançar na compreensão da traição que representou o Stalinismo, que usurpou a revolução dos trabalhadores e usou-a de moeda de troca com o imperialismo, exatamente como faz o PC do B com a direita golpista, apostando em um Lula #2018. Resgatando esta experiência e se apoiando na auto-organização, os trabalhadores podem vencer constituindo sua direção revolucionária e impondo que os capitalistas paguem pela crise.

Leia mais: Venha construir Encontros por uma greve geral já contra as reformas, Temer e os capitalistas




Tópicos relacionados

Rio de Janeiro

Comentários

Comentar