Internacional

Alemanha

30 anos após a queda do muro, o que restou da restauração capitalista

Após três décadas da restauração capitalista na Alemanha Oriental, a crise social que esta deixou, agora encoraja os fenômenos políticos da direita.

segunda-feira 19 de novembro| Edição do dia

Foto: manifestação de extrema direita na alemanha

Depois que o Muro de Berlim caiu e o conluio conservador com Helmut Kohl chegou ao poder, se inicia um processo de restauração do capitalismo começou no que tinha sido a República Democrática da Alemanha (DRA por sua sigla em alemão). Um dos aspectos mais visíveis desse processo foi a organização Treuhandanstalt, que privatizou empresas nacionais para o desmantelamento subsequente.

Esse processo terminou com dezenas de milhares de pessoas que perderam seus empregos, suas casas e sua estabilidade em geral. Os trabalhadores - que tinham encenado manifestações de massa contra a burocracia stalinista do Partido Socialista Unificado da Alemanha (SED) - começaram a tornar-se mão de obra barata para os empresários capitalistas na Alemanha Ocidental, tornando-se "cidadãos de segunda classe" trabalho.

As consequências sociais desse processo ainda podem ser vistas hoje. Frank Dehmel conta em uma nota publicada no New York Times, como quem em 1989 foi às ruas para pedir "democracia" e "liberdade" e hoje, estando desempregado, regressa ao protesto, mas apoiando a coalizão de extrema direita Alternative Für Deutschland (Alternativa para a Alemanha). Exemplos como Dehmel se multiplicam, especialmente na parte oriental do país germânico. Oliver Graf, bombeiro em Eberbasch-Nuegersdorf, diz que "ele mal conhece alguém que não tenha votado na AFD".

A extrema direita nos últimos anos cresceu, de modo que a AFD se tornou a principal oposição da coalizão ao governo de Merkel no parlamento. A Alemanha Oriental explica muito desse fluxo de votos.

Entre as razões para este fenômeno, além da recomposição da direita xenófoba em toda a Europa, especificamente na Alemanha Oriental, é a crise estrutural que deixou a restauração capitalista, deixando centenas de milhares de desempregados, transformando aldeias inteiras em cemitérios silenciosos e destruindo direitos conquistados pelos trabalhadores alemães, apesar da liderança stalinista que liderou a RDA.

Depois de quase 30 anos de capitalismo no Oriente, a situação dos trabalhadores não apenas não melhorou, mas aprofundou-se. O desemprego estrutural deixado pelo desmantelamento da indústria socializada da antiga RDA, a miséria existente e a crise são hoje uma imagem viva do que a restauração deixou.

Sobre a base do que o capitalismo destruiu, os discursos demagógicos da extrema direita apontam suas armas contra os imigrantes, culpando-os pela situação dos setores populares do Oriente.

Tanto a AFD quanto a Pegida (outra formação de extrema-direita) têm levantado um discurso demagógico e linha-dura, que tem tido efeito sobre setores que vêm de décadas de retrocesso. Na desesperança, esses agrupamentos pedem mais mão dura e encorajam ataques contra imigrantes, culpando-os pelo desemprego e pela decomposição social.

Desde que assumiu Angela Merkel - originária da Alemanha Oriental - a situação só piorou para os trabalhadores. Os "cidadãos orientais" esperavam que com um deles "finalmente chegasse para integrá-los ao resto da Alemanha.

Mas Merkel, à frente do governo, orientou suas políticas em benefício dos chefes imperialistas germânicos.

Essas empresas aproveitaram não apenas os benefícios da mão-de-obra barata do Oriente, mas - seguindo as premissas neoliberais - transferiram sua produção para países onde os salários eram mais baratos e onde a sindicalização praticamente não existia. Por sua vez, eles aproveitaram os imigrantes árabes e do leste europeu para superexplorá-los nas empresas que permaneceram na Alemanha reunificada.

Este processo, que se repetiu em todo o mundo, significou mais precariedade para todos os trabalhadores nativos e imigrantes.

É isso que os novos partidos de extrema direita não denunciam, e nem a esquerda alemã (às vezes até ecoando discursos xenófobos). Esses partidos tentam convencer os trabalhadores de que o problema são os imigrantes e não os patrões imperialistas que se beneficiam da divisão que existe nas fileiras da classe trabalhadora.

Os outrora "heróis da classe trabalhadora no socialismo", hoje são hoje tratados com desdém pelo capitalismo que se originou com a queda do Muro de Berlim. Uma das tarefas mais urgentes hoje para a esquerda anti-capitalista que mereça ser chamada como tal, é unir o que a burguesia dividiu: os trabalhadores com trabalhadores, os nativos com os imigrantes, os precarizados com quem tem um trabalho mais estável.




Tópicos relacionados

Alemanha   /    Internacional

Comentários

Comentar